Missão dos Estados Unidos nas Nações Unidas
Gabinete de Imprensa e Diplomacia Pública
4 de agosto de 2022

Boa tarde. Quero começar por agradecer ao Pro Vice-Chanceler Asante pela gentil apresentação e dizer o quanto estou feliz por estar aqui na Universidade do Gana.

Professor, na verdade eu vim a este campus pela primeira vez em 1978. E enquanto passávamos de carro – [Aplausos.], lembro-me de pensar como era bonito quando cheguei aqui em 1978, e ainda tem aquela beleza que tinha durante aquela visita. Então, mais uma vez, encantada por estar aqui. [Aplausos.]

E, em segundo lugar, quero agradecer aos tocadores de tambor. Sabem, quando eu estava a entrar, devo dizer-vos que costumo caminhar. E eu tenho uma peça de percussão na minha música, e enquanto caminho ao som desses tambores, ando na velocidade do relâmpago. E então, enquanto vocês tocavam, eu só conseguia pensar em sair e caminhar. Então, obrigada por me lembrarem que eu preciso de caminhar.

E quero agradecer a todos por se juntarem a nós hoje para falar sobre paz, progresso e segurança alimentar em África.

Há sessenta e cinco anos, um grupo de estimados americanos visitou o Gana para celebrar a sua independência. Em particular, dois heróis pessoais meus, dois afro-americanos, vieram ver a Union Jack descer. Ambos os homens eram ativistas dos direitos civis. Um ganhou o Prémio Nobel da Paz pelos seus esforços, e o outro viria a ganhar esse prémio vários anos depois. Ambos se identificaram com a luta do Gana pela liberdade, independência, dignidade e soberania. Eles acreditavam que o mundo estava interligado – que o progresso no Gana significava progresso não apenas em África, mas também na América.

Eram eles Ralph Bunche, um dos fundadores das Nações Unidas, e o Dr. Martin Luther King Jr., um ícone do movimento dos direitos civis dos Estados Unidos.

Menciono a sua visita incontornável destes dois homens para nos lembrar que a ligação entre o Gana e a América, entre África e a América, é profunda. Que enquanto parte dessa história é dolorosa, outras partes são alegres. A América é o lar de grande parte da diáspora africana – e o nosso povo está unido, através de laços de família, amizade e história, e os nossos destinos estão entrelaçados.

Afinal de contas, o presidente Nkrumah foi educado nos Estados Unidos numa faculdade historicamente negra, e W.E.B. Du Bois, um dos principais intelectuais negros do meu país e um titã do movimento pelos direitos civis, está sepultado aqui no Gana.

Também estou a chamar a atenção para o 65º aniversário da vossa independência e da visita de Ralph Bunche e do Dr. King, porque estou aqui hoje para falar sobre a ligação entre alimentação, paz e prosperidade. E tanto Bunche quanto King entendiam essa ligação melhor do que ninguém.

No seu discurso do Prémio Nobel da Paz, o Dr. King explicou pelo que lutava. Ele disse, e cito: “Tenho a audácia de acreditar que as pessoas em todos os lugares podem ter três refeições por dia para os seus corpos, educação e cultura para as suas mentes e dignidade, igualdade e liberdade para os seus espíritos”.

Ralph Bunche fez uma observação semelhante no seu próprio discurso do Nobel. Ele argumentou, e cito: “A paz não é uma mera questão de homens que lutam ou não lutam”.

“A paz”, disse ele, “… deve ser traduzida em pão ou arroz, abrigo, saúde e educação, bem como liberdade e dignidade humana – uma vida cada vez melhor”. A paz deve ser traduzida em pão ou arroz. Pergunto-me se ele estaria a pensar no arroz Jollof.

Mas neste momento, o mundo não tem paz por causa de conflitos persistentes e perniciosos, sim, mas também porque arroz e pão não estão a chegar às pessoas famintas ao redor do globo. Trabalho em causas humanitárias há quase 40 anos. E hoje, apesar de todas as ferramentas modernas que temos à nossa disposição, estamos a passar pela pior – deixe-me repetir – a pior crise global de segurança alimentar que já vi. Isto é uma emergência.

Aqui em África, uma em cada cinco pessoas está subnutrida – uma em cada cinco. Não têm, nas palavras do Dr. King, três refeições para os seus corpos. Mal têm uma que seja. A insegurança alimentar significa que as famílias não são capazes de sustentar os seus filhos. Significa que as crianças não recebem a nutrição de que precisam para terem sucesso na escola. E nos piores casos, significa fome. E fome significa morte.

É por isso que temos que estar determinados a acabar com a fome. Traduzir a paz em pão e arroz. E para fazer isso, não podemos apenas fornecer comida aos famintos – embora isso seja incrivelmente importante. Também temos que olhar para o que está a causar essa fome, o que está a causar a insegurança alimentar em primeiro lugar.

E neste momento, vejo quatro causas claras: o que chamo de “E” e os três “C’s”. Energia. Clima. COVID. E Conflito.

Comecemos pela energia. Os preços da energia subiram no ano passado – quem tem que encher regularmente o tanque de gasolina ou pagar uma conta de luz sabe muito bem disso. As razões são complexas e inter-relacionadas – como questões da cadeia de suprimentos, mudanças climáticas – mas o resultado é claro: aumento dos preços da energia. Além disso, a manipulação dos fluxos de gás pela Rússia agora está a aumentar ainda mais os preços.

Isto pode ter um efeito devastador no ciclo alimentar. Afinal, a energia é usada para produzir o fertilizante químico que ajuda as plantações a crescer. depois, os agricultores usam energia, geralmente gasóleo, para operar os equipamentos de colheita antes que as suas colheitas sejam processadas em fábricas onde mais energia é necessária. E então também precisamos de energia para levar os alimentos colhidos para as lojas, restaurantes, mercados e das lojas para as vossas casas. Portanto, custos mais altos de energia significam custos mais altos de alimentos.

Além disso, há a crise climática – uma crise com a qual os africanos estão profundamente familiarizados. Estive em África durante a maior parte da minha carreira profissional – em cargos no Quénia, Gâmbia e Nigéria, como Secretária Adjunta de Assuntos Africanos e como a primeira mulher Embaixadora na Libéria. E cada vez que regresso, fico impressionada com o quanto o clima transformou o meio ambiente. Ficou mais quente. Isso significa estações de cultivo mais curtas para os agricultores, o que significa menores rendimentos anuais. A crise climática também está a matar animais, como gado e peixes.

Aqui no Gana, muitos que pescam para viver estão a ver capturas menores à medida que a temperatura da água aumenta. E eventos climáticos dramáticos tornaram-se ainda mais comuns.

Estive no Uganda ontem e fui informada sobre as enchentes e deslizamentos de terra no leste, que deixaram centenas de desabrigados.

E agora, o Chifre da África está a passar pela sua pior seca no registo histórico. O Programa Alimentar Mundial estima que até 20 milhões de pessoas correm o risco de passar fome naquela região.

A Somália, em particular, está à beira da fome – dezenas de milhares de pessoas viajam desesperadamente pelo deserto árido em busca de comida. Mais de 700.000 camelos, cabras, ovelhas e gado morreram apenas nos primeiros dois meses deste ano por causas relacionadas com a seca.

Mas são as crianças que mais sofrem – quase metade dos menores de cinco anos na Somália enfrenta desnutrição aguda. As mães que não têm o suficiente para comer param de produzir o leite materno de que seus filhos precisam para sobreviver e prosperar. Menos colheitas, menos animais, mais inundações e secas. Tudo isso conta.

Pensme em todos os avanços tecnológicos que tivemos nos últimos 60 anos. Quanto melhor nós conseguimos cultivar e colher alimentos. E, no entanto, de acordo com a ONU, o crescimento da produtividade agrícola aqui em África diminuiu – diminuiu nos últimos 30 anos mais de um terço por causa das mudanças climáticas.

Então, sim, a crise climática é uma crise de desastres naturais, de inundações, tempestades e ondas de calor. Mas também leva diretamente a uma crise de segurança alimentar. Torna muito mais difícil alimentar as pessoas.

E enquanto o clima vem dificultando a obtenção de alimentos há anos, agora a COVID-19 deu-nos um choque imediato e adicional ao sistema. A COVID interrompeu os mercados de trabalho dos quais os agricultores da região e do mundo dependem. Derrubou as nossas cadeias de suprimentos e tornou mais difícil levar alimentos ao mercado. E as dificuldades económicas e a inflação, outra consequência desse vírus, tornaram mais difícil as pessoas comprarem os alimentos que chegam ao mercado. Antes da COVID, 100 milhões de pessoas tinham insegurança alimentar. Três anos depois, em apenas três anos, esse número saltou para mais de 190 milhões de pessoas.

E depois há o terceiro “C”, que acredito ser a fonte mais insidiosa de fome. Essa é a fome causada pelo conflito. Fome que é causada intencionalmente. A fome usada como arma de guerra.

África oferece uma litania desoladora de exemplos. Na República Democrática do Congo e na República Centro-Africana, a violência levou ao deslocamento de milhões de crianças gravemente desnutridas.

Os combates no norte da Etiópia e a seca na região somali da Etiópia levaram civis inocentes à beira da fome. E enquanto saudamos a recente trégua humanitária no norte da Etiópia, que já dura há mais de quatro meses, a desnutrição aguda ainda é uma grande preocupação em todo o país. O governo acaba de começar a permitir que levemos ajuda humanitária àqueles que precisam desesperadamente, mas muito mais precisa ser feito para alcançar populações vulneráveis além das áreas urbanas.

No Sudão do Sul, enquanto buscam segurança contra a violência, famílias e crianças foram forçadas a esconder-se em pântanos onde mal sobrevivem de alimentos silvestres e água contaminada do rio.

E depois há a guerra da Rússia na Ucrânia.

Como o Representante da ONU do Quénia nos lembrou no Conselho de Segurança, invasões baseadas em reivindicações históricas e étnicas não têm lugar no nosso mundo moderno. Quem conhece em primeira mão o doloroso legado do colonialismo pôde ver a ameaça de caos que se seguiria, especialmente neste continente, se a conquista territorial e a conquista do vizinho estivesse de volta à mesa.

Também ouvi de alguns que os africanos realmente não querem ser pressionados a escolher um lado ou tomar uma determinada posição. Eu entendi isso. Nenhum de nós quer repetir a Guerra Fria. E os africanos têm o direito de decidir as suas posições de política externa, livres de pressão e manipulação, livres de ameaças. Mas deixe-me ser clara: não estou aqui para dizer a vós ou a quaisquer africanos o que pensar.

Mas quero apresentar os fatos. Anteriormente, eu disse-vos que mais de 190 milhões de pessoas viviam em insegurança alimentar após a COVID. Bem, desde a guerra não provocada da Rússia, a invasão em larga escala na Ucrânia, estimamos que esse número pode subir para 230 milhões. Isso significaria que mais de 40 milhões de pessoas ficarão em situação de insegurança alimentar desde que o Presidente Putin escolheu invadir seu vizinho e roubar as suas terras. Isso é mais pessoas do que toda a população do Gana.

Porquê? Porque a Rússia capturou sistematicamente algumas das terras agrícolas mais produtivas da Ucrânia. Destruíram campos com minas e bombas, roubaram e destruíram equipamentos e infraestruturas agrícolas vitais. Eles até bombardearam silos de grãos e estão a vender grãos que acreditamos terem sido roubados das reservas da Ucrânia.

O facto é que isto prejudica África. A Rússia e a Ucrânia fornecem mais de 40% do suprimento de trigo de África. O bloqueio do Mar Negro pela Rússia manteve mais de 20 milhões de toneladas de grãos ucranianos dos mercados globais e ameaçou a segurança alimentar no Oriente Médio e em África. Os preços dos alimentos em todo o mundo estão 23% mais altos do que há um ano. Mas são os mais atingidos na África Subsaariana, onde os alimentos consomem 40% dos orçamentos familiares.

Independentemente do que sentem em relação à Rússia, todos nós temos um forte interesse comum em mitigar o impacto da guerra na Ucrânia na segurança alimentar. Para esse fim, apoiamos os esforços da ONU para intermediar um acordo para que a Ucrânia possa começar a enviar os seus produtos agrícolas novamente para fora dos portos ucranianos do Mar Negro. Congratulamo-nos com a partida dos navios que transportam grãos dos portos do Mar Negro esta semana. E instamos a Rússia a cumprir seus compromissos de permitir que os agricultores da Ucrânia voltem a fornecer grãos ao mundo. Entretanto, também estamos a trabalhar com a Ucrânia e a UE para facilitar as exportações agrícolas através de todas as rotas rodoviárias, ferroviárias e marítimas disponíveis.

Ouvi muitos líderes africanos dizerem que querem que a diplomacia acabe com a guerra, e não poderíamos estar mais de acordo. Moscovo e Kiev precisarão encontrar maneiras de viver juntos em paz. É sempre melhor resolver as divergências na mesa de negociação e não no campo de batalha. Infelizmente, não vimos nenhuma indicação de que a Rússia esteja preparada para aceitar uma solução diplomática. No entanto, devemos ao povo da Ucrânia, que está a sofrer tanto, apoiar todos os esforços para acabar com a guerra por meio de um diálogo de boa fé e negociações nos termos que os próprios ucranianos decidirem.

Agora eu sei que algumas pessoas vieram aqui e disseram que as sanções ocidentais são as culpadas pelo aumento dos preços dos alimentos. E, novamente, não estou a dizer-vos como pensar, mas quero fornecer os factos. O facto é que as nossas sanções são direcionadas a Putin e aos seus apoiantes, não à agricultura e alimentação, que são especificamente excluídas das sanções.

Deixem-me dizê-lo novamente, já que esta é uma desinformação tão comum: as sanções dos Estados Unidos não se aplicam, deixe-me repetir, às exportações de alimentos e fertilizantes. Ponto final.

Tomamos medidas-extra para emitir uma ampla orientação pública para garantir que empresas e instituições financeiras entendam que alimentos e fertilizantes não são alvo das nossas sanções. Até criamos um “help desk” de sanções para esclarecer todo e qualquer mal-entendido sobre questões de segurança alimentar, e temos todo o prazer em interagir com qualquer pessoa que tenha dúvidas a esse respeito.

Mas a própria Rússia está a adotar medidas que limitam as exportações para o mundo. Por exemplo, Moscovo impôs cotas de exportação de nitrogénio e fertilizantes complexos que estarão em vigor até pelo menos ao final do ano. A falta de fertilizantes hoje gera uma crise de segurança alimentar para amanhã. A Rússia também impôs tarifas-extra sobre as exportações de grãos dos seus próprios agricultores, embora a Rússia tenha tido uma colheita abundante este ano.

Tudo isto para dizer: a guerra da Rússia na Ucrânia só torna ainda mais terrível uma crise alimentar já horrível.

E todos estes problemas – energia, clima, COVID e conflito – combinam-se num cocktail complexo que levou à pior crise de fome das nossas vidas. Este tipo de crise global sem precedentes exige uma resposta global sem precedentes.

É por isso que sempre levei esta questão ao Conselho de Segurança da ONU. O mundo precisa ver como a insegurança alimentar aumenta o risco de conflito. E o Conselho de Segurança precisa fazer um trabalho melhor para impedir que os alimentos sejam usados como arma de guerra.

Da nossa parte, em maio, durante a presidência do Conselho de Segurança dos Estados Unidos, o Secretário Blinken juntou-se a mim em Nova Iorque, e organizámos uma série de Dias de Ação sobre Segurança Alimentar. Reunimos parceiros de todo o mundo para elaborar um Roteiro para a Segurança Alimentar Global. O Roteiro pede que os Estados-Membros da ONU forneçam financiamento humanitário adicional e doações em espécie de alimentos das reservas nacionais para manter os mercados agrícolas e de alimentos abertos, aumentar a produção de fertilizantes, apoiar sistemas alimentares sustentáveis e monitorar e compartilhar dados sobre desenvolvimentos no mercado global de alimentos.

Mais de uma centena de países já se alinharam num quadro comum desta crise e uma agenda comum para enfrentá-la. E, desde maio, trabalhamos em conjunto com a ONU, o G7 e outros para incentivar parcerias para abordar esta questão com mais doadores em todo o mundo. De facto, o Presidente Biden garantiu um compromisso de US$ 4,5 bilhões em financiamento para segurança alimentar na Cimeira do G7. E para demonstrar o quanto nos preocupamos com esta questão, o compromisso dos Estados Unidos foi mais da metade deste total: US$ 2,76 bilhões.

Quando outros viajam para África, acho que vale a pena perguntar-lhes o quanto estão a contribuir para esses esforços, porque isto precisa ser um esforço multilateral e global. À medida que enfrentamos a ameaça imediata e procuramos obter o máximo de alimentos e suprimentos humanitários para o maior número possível de pessoas famintas e desesperadas, também temos que enfrentar as causas profundas da energia, clima, COVID e conflito. Cada uma dessas causas-raiz, e como trabalhamos juntos para enfrentá-las, pode facilmente ser o seu próprio discurso, a sua própria conversa.

Mas entre todos estes desafios geracionais difíceis, na verdade existem oportunidades. A crise de segurança alimentar pode ser um chamado tanto para o Gana como para África. A crise pode galvanizar os recursos, a infraestrutura, as conexões necessárias para fazer deste país e deste continente o seu próprio celeiro. Para fornecer a sua própria comida ao seu povo e, talvez, ao resto do mundo. Agora eu sei que isto é difícil de imaginar no meio de uma crise de segurança alimentar. Mas também sei que é possível, e sei que vocês sabem que é possível.

Duas décadas depois de Ralph Bunche e Dr. King virem para o Gana, outro afro-americano muito importante chegou aqui: eu. [Aplausos.]

Estávamos em 1978 – eu estava a falar sobre isso no começo e eu era estudante quando cheguei aqui em 1978 – e foi a primeira vez que saí dos Estados Unidos. E eu vim para África para ver o continente de onde meus ancestrais vieram. E senti uma ligação imediata, e soube naquele momento que queria passar a minha carreira a trabalhar e a viver em África. E eu viajei de país em país de táxi do mato. E no Gana, lembro-me de ter ficado impressionada com a sua beleza natural. Brilhante, verde, exuberante. Quilómetros de praias arenosas. Também aprendi sobre os seus recursos naturais. Uma indústria de cacau emergente. Terreno com bastante chuva e bons solos e culturas.

Mas noutros aspetos, o Gana era um país completamente diferente. A maioria de vós não estava aqui em 1978, alguns de nós temos essa idade. Estavam sob uma ditadura militar. A vossa economia estava em frangalhos. Mal conseguiam encontrar comida nos mercados. E no táxi em que viajei, as pessoas estavam a fugir para a Nigéria na esperança de encontrar trabalho.

Viajei para o Gana com frequência desde então. Estive aqui para observar as eleições gerais de 2016 e a posse do vosso presidente em 2017. Acompanhei a transformação rápida e radical deste país em direção à democracia, à estabilidade, à segurança alimentar, à paz. O Gana está a evoluir e ainda tem muito mais progresso a fazer.

Mas o Gana de hoje é um país totalmente novo do Gana que vivenciei em 1978. Apesar de alguns desafios de desnutrição numa parte do norte, o Gana é agora um líder neste continente em segurança alimentar e sistemas alimentares. Têm uma base forte para construir. Mas, na minha opinião, o Gana não está nem perto do seu pico. Nem a África, de um modo geral, o está. O Gana pode fornecer ainda mais alimentos locais. Pode tornar-se um polo do agronegócio. Pode tornar-se um celeiro para o mundo. [Aplausos.] E, claro, o Gana não é o único país com esse potencial aqui em África. A Nigéria tem enormes extensões de terra arável. O mesmo acontece com a República Democrática do Congo. E a lista é longa.

A minha questão é esta: por muito tempo, os ricos e poderosos extraíram os recursos naturais de África para o seu próprio ganho. E continua hoje por meio de maus negócios e armadilhas da dívida.

Queremos ver uma África que abasteça a África, com suprimentos alimentares autossustentáveis que traduzam a paz em pão de açúcar, chapatis, injera e arroz Jollof que possam partilhar com o globo. O vosso potencial é simplesmente extraordinário.

Claro que alcançar esse mundo ainda vai exigir muito trabalho duro. Vai exigir recursos. Será preciso perseverança, compromisso e boa governação. Significará chamar a grande e próspera diáspora africana para ajudá-lo a progredir. Esforços como o Ano do Retorno de 2019 são uma ótima maneira de liberar o potencial dessa diáspora, que tem biliões de dólares e vastas experiências inestimáveis a oferecer. Significará fazer parcerias com governos, ONGs e agronegócios – um tópico que sei que discutiremos na Cimeira de Líderes EUA-África em dezembro. Isso significará enfrentar a complexa rede de desafios que fazem com que a insegurança alimentar comece em primeiro lugar. Mas acredito que pode levar à paz e à prosperidade para todos nós.

Da nossa parte, os Estados Unidos estão comprometidos com esse trabalho. É a base da Feed the Future, a nossa iniciativa global de fome e segurança alimentar, que o Presidente Biden expandiu dramaticamente neste verão para incluir a República Democrática do Congo, Libéria, Madagáscar, Malawi, Moçambique, Ruanda, Tanzânia e Zâmbia – juntando doze outros países-alvo, incluindo o Gana.

Mas é necessário mais financiamento para abordar a segurança alimentar e enfrentar as crises que agravam a segurança alimentar, como os refugiados e deslocados internos que são forçados a deixar as suas casas e sobrecarregam os sistemas alimentares onde quer que encontrem abrigo.

E é por isso que, hoje, tenho orgulho de anunciar quase US$ 150 milhões em novos financiamentos humanitários adicionais e assistência ao desenvolvimento, pendente de notificação do Congresso, para África. [Aplausos.] Isso inclui os 20 milhões que anunciei ontem no Uganda, que serão destinados à expansão dos investimentos em fertilizantes, grãos e outras culturas – com o objetivo de aumentar a resiliência a futuros choques no Uganda. Ontem visitei uma fábrica de moagem de grãos no Uganda que estamos a ajudar a apoiar e vi o quão vital é manter essas fábricas a funcionar.

Hoje, os fundos que estou a anunciartambém incluem financiamento adicional para Gana, que se concentra no desenvolvimento e comercialização de produtos fertilizantes inovadores e oferece suporte a importadores e fabricantes, incluindo parceiros do setor privado, para trazer mais fertilizantes para este país.

Mesmo antes dessa ajuda adicional, aqui no Gana, ajudamos mais de 638.000 pequenos agricultores a se adaptarem aos picos de preços, ajudando-os a usar fontes locais de fertilizantes. Também estamos a promover o uso de sementes melhoradas que precisam de menos fertilizantes e a incentivar o setor privado e as parcerias do setor agro-alimentar que trarão os recursos, a tecnologia e o know-how para construir uma infraestrutura agrícola.
Finalmente, sabemos que os conflitos podem armar a fome e forçar as pessoas a deixarem as suas casas. Isso leva ao deslocamento em massa, que leva a deslocados internos e refugiados, o que sobrecarrega os sistemas alimentares dos países vizinhos. Portanto, o financiamento que estou a anunciar hoje inclui mais de US$ 127 milhões em assistência humanitária adicional para África para fornecer apoio vital a refugiados, requerentes de asilo, deslocados internos, apátridas e pessoas perseguidas em toda a África. E deixe-me dizer que isto nos leva a cerca de US$ 6,6 biliões em assistência humanitária a África desde o início deste ano fiscal.

E quero agradecer ao Gana e a todos os países africanos que abriram as suas portas e as suas fronteiras àqueles que buscam refúgio, que buscam proteção contra conflitos.

Os fundos humanitários também serão usados para lidar com os impactos humanos sentidos pelos refugiados e deslocados aqui em África e nas comunidades que os acolhem. Ajudará as pessoas afetadas por crises no Burkina Faso, República Centro-Africana, Nigéria, Níger, República Democrática do Congo, Mali e outras situações de deslocamento novas e prolongadas. Apoiará parceiros humanitários que tornam a vida melhor para os sete milhões de refugiados e 25 milhões de pessoas deslocadas internamente em África. E irá para a construção de uma paz que se traduz em pão e arroz para todos os famintos.

Nesse mesmo discurso do Prémio Nobel da Paz, Ralph Bunche prosseguiu e falou sobre a necessidade imediata de progresso. Ele disse: “Para que a paz seja segura, os povos martirizados, famintos e esquecidos do mundo, os desprivilegiados e os desnutridos, devem começar a compreender sem demora a promessa de um novo dia e de uma nova vida”.

Du Bois teve uma mensagem semelhante quando disse: “Hoje é a hora da semeadura, agora são as horas de trabalho e amanhã vem a colheita”.

Juntas, as suas palavras iriam prever o que o Dr. King mais tarde chamou de ‘feroz urgência do agora’.

Hoje, a crise de segurança alimentar fornece toda a urgência de que precisamos. Agora é o momento de trabalharmos juntos entre governos, entre países, entre pessoas, para acabar com a fome. Agora é o momento de forjar parcerias com a sociedade civil, o setor privado, para galvanizar a diáspora, aproveitar as novas tecnologias e melhores técnicas, construir os sistemas alimentares e as estruturas do futuro.

Agora é a hora, agora é a hora de alimentar o futuro, de transformar o Gana e outras nações africanas em celeiros próprios. O mundo está faminto e so vosso potencial é ilimitado. E não há um momento a perder.

Obrigada. [Aplausos.]

 

MODERADOR: Por favor, continuem com os aplausos. Eu sei que adoraram. [Aplausos.] Ótimo, obrigado. Muito obrigado. Eu acho que podem sentar-se agora. A Embaixadora Thomas-Greenfield responderá a algumas perguntas. Eu sei que alguns de vósestão ansiosos para fazer algumas perguntas. E nós temos a nossa primeira pergunta a chegar. É de um dos ex-alunos, e vou passar o microfone para a nossa primeira pergunta. Pode apresentar-se e prosseguir com a pergunta.

PERGUNTA: Muito obrigada pela sua apresentação muito emocionante. Eu sou Priscilla Akoto Bamfo. Moro na região Norte há 10 anos, então sou filha do Norte. Eu queria perguntar-lhe sobre a juventude. África tem a população mais jovem do mundo. A senhora sabe que somos a chave para o desenvolvimento sustentável de África. No entanto, a juventude e o setor agro-alimentar, tal como eu, enfrentam desafios muito acentuados que fazem com que muitos jovens empreendedores desistam e saiam do setor agro-industrial muito rapidamente. Os custos vertiginosos associados à produção de alimentos irão exacerbar uma já baixa produtividade alimentar no Gana. Como aludido por Franklin Cudjoe. Os jovens envolvidos em negócios ativos precisam de mais apoio, na minha opinião, para garantir que possam prosperar e contribuir para soluções sustentáveis em segurança alimentar.

A minha pergunta: existem políticas dos EUA para apoiar essas empresas? E quais são essas políticas especificamente? Agradeço novamente. [Aplausos.]

EMBAIXADORA THOMAS-GREENFIELD: Obrigada pela pergunta, Priscilla. E essa é uma pergunta tão importante. Muitas vezes, quando estou a discursar perante o público, lembro-lhes que África é a população mais jovem. A idade média é de 19 anos. Portanto, cabe aos governos e aos seus construtores se concentrarem em apoiar os esforços dos jovens para se envolverem na agricultura e, como sei, há muito potencial aí. E sei que os nossos colegas da USAID estão a trabalhar aqui no Gana para apoiar os esforços de pequenos agricultores, de modo a incluir jovens como você.

Temos o programa YALI onde trazemos jovens líderes, como muitos de vós, para os Estados Unidos para aprimorar as suas habilidades de liderança e algumas das suas habilidades técnicas de negócios para apoiar seus objetivos, sejam eles quais forem. A Fundação para o Desenvolvimento Africano também oferece pequenas doações. E eu gostaria de encorajá-la a ver o que eles podem fornecer. Mas enquanto isso, o que há aqui no Gana são os nossos colegas da USAID. E eu não sei quem está na sala da USAID, por favor, converse com esta jovem. Obrigada. [Aplausos.]

MODERADOR: Então, há uma segunda pergunta. Acho que Ruky sabe quem vai fazer a pergunta. Sei que vem lá de cima. Sim, por favor, pode prosseguir. O seu nome e a sua pergunta.

PERGUNTA: Muito obrigado. O meu nome é [inaudível]. Sou estudante de doutoramento em [inaudível] –

EMBAIXADORA THOMAS-GREENFIELD: Não consigo ouvi-lo.

PERGUNTA: OK, eu disse que o meu nome é Curtbert Nabilse. Sou estudante de doutoramento no Departamento de Agricultura, Economia e Setor Agro-Industrial e tenho uma pergunta relacionada com os OGM. Assim, no Gana, tivemos recentemente o feijão-frade GM a passar pelo primeiro estágio de aprovação para liberação comercial. E é emocionante para alguns grupos, mas noutros quadrantes, há preocupações que beiram questões de soberania alimentar, bem como questões relacionadas à propriedade e partilha de sementes, como é praticada entre os nossos agricultores neste local. Mas sabemos que a tecnologia GM, no que diz respeito à produção agrícola, é muito importante. Quer dizer, é muito importante para garantir a segurança alimentar em países como o Gana.

Então, a minha pergunta é: O que os EUA estão a fazer? Como é que os EUA estão a influenciar a liberação comercial de tais culturas para garantir a segurança alimentar em países como o Gana? Obrigado.

EMBAIXADORA THOMAS-GREENFIELD: Obrigada por essa pergunta. E não sei se sei a resposta exata. Mas sei que apoiamos sementes e produtos GM, porque sabemos que eles contribuem para a segurança alimentar. Eles ajudam a aumentar o rendimento das culturas. Eles ajudam-no fornecer sementes resistentes à seca e são vistos como ajudando a fornecer, em muitos casos, uma nutrição melhor. Então, novamente, é algo que apoiamos e trabalhamos com empresas para apoiar. E, novamente, vou encaminhá-lo para os nossos colegas da embaixada que podem ter uma resposta específica sobre onde direcioná-lo para obter apoio para os seus esforços. Mas posso dizer que isso é algo que é uma prioridade para o governo dos EUA.


Esta tradução é oferecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial

U.S. Department of State

The Lessons of 1989: Freedom and Our Future