A Casa Branca
21 de setembro de 2021

A Bordo do Air Force One
A Caminho de Washington, D.C.
2:36 P.M. EDT

SRA. PSAKI:  OK. Bem-vindos ao nosso voo de volta para casa, de Nova York para Washington, após nossa viagem para a Assembleia Geral da ONU.

Gostaria apenas de observar que o presidente ligou para o primeiro-ministro Trudeau logo ao entrar no avião para parabenizá-lo por sua reeleição e dizer que espera trabalhar com ele nos próximos meses e anos.

Com isso, sei que é um voo curto, então, vamos às suas perguntas.

P: Duas perguntas rápidas. Em primeiro lugar, com relação ao que está acontecendo com os haitianos que estão cruzando a fronteira, inicialmente Mayorkas fez uma declaração. E, então, na noite passada, a situação começou a evoluir. Agora ele está reunido com a vice-presidente. A senhora pode explicar a evolução do que está acontecendo e o que o governo espera aprender?

SRA. PSAKI: Claro. Bem, quando o secretário comentou no início do dia de ontem, ele ainda não tinha visto as fotos. Como todos vocês lembram, as fotos começaram a surgir um pouco antes do briefing de ontem, mais ou menos no fim da manhã, e ele falou mais ou menos por volta dessa mesma hora.

Assim que ele teve a oportunidade de ver as fotos, ver o vídeo – como vocês ouviram em um depoimento na noite passada e novamente nesta manhã, ele ficou horrorizado. Ele acredita que isso não representa quem somos como país e não representa as posições do governo Biden-Harris.

Eu também observei que, na declaração dele na noite passada, ele comunicou que haveria uma investigação e que também enviaria pessoal adicional para a fronteira.

Então, em relação à reunião com a vice-presidente hoje, acho que é apenas para ter uma atualização sobre como as coisas estão.

P: Até este momento, o presidente viu as fotos ou foi informado sobre essa situação e como ela se desenvolveu no dia anterior?

SRA. PSAKI: Sim. Ele está ciente e foi informado sobre a situação.

P: Mas ele viu as fotos?

SRA. PSAKI: Acredito que sim.

P: Ok. E qual foi a reação dele?

SRA. PSAKI: Acho que falei exatamente sobre essa questão ontem – ou acho que falei ontem à noite. Talvez eu não tenha falado.

Vocês sabem, ele acredita que as filmagens e as fotos são horríveis. Não representam quem somos como país. E ele ficou satisfeito ao ver o anúncio da investigação. Ele certamente apóia isso. E, obviamente, haverá uma determinação feita nas próximas etapas, uma vez que a investigação seja concluída.

P: O presidente acredita que esses agentes de fronteira devem ser punidos de alguma forma ou ele vai apenas esperar a investigação?

SRA. PSAKI: Bem, novamente, há um processo em vigor por um motivo. Obviamente, esperamos que a investigação aconteça logo. E essa investigação vai determinar, como ficou claro na declaração do secretário na noite passada, quais medidas disciplinares deverão ser tomadas.

P: Jen, no discurso da ONU, foi extremamente perceptível, obviamente, que a palavra “China” não apareceu. A senhora pode nos dizer por que deliberadamente não citar a palavra “China”?

SRA. PSAKI: Bem, eu diria, em primeiro lugar, que ficou claro no discurso que o presidente estava falando sobre a importância de nossa – de construir nossas alianças, trabalhar juntos enquanto enfrentamos uma série de desafios pelo mundo. Ele vê e eu sei muito bem disso – ele conhece muitos dos nossos parceiros ao redor do mundo, inclusive do G7, vê a China como um país onde há grande competição, mas não um país onde buscamos conflito.

E, então, acho que esse foi um indicativo de seu objetivo de definir nossa agenda proativa com as grandes questões que podemos trabalhar juntos, inclusive com a China: mudanças climáticas, enfrentamento de ameaças cibernéticas – abordagem de ameaças terroristas em todo o mundo. E, certamente, ele também deixou claro em seu discurso que – e isso não foi dirigido a nenhum país específico, mas a qualquer país que não atenda aos requisitos básicos – que manteremos elevados os padrões de democracia, manteremos elevados os padrões de direitos humanos. E, você sabe, essa é uma mensagem que deveria ser ouvida por todas as pessoas.

P: A senhora tem alguma atualização sobre uma conversa com Macron?

SRA. PSAKI: Vai acontecer em breve. Estamos em contato com a equipe do Macron para finalizar os detalhes dessa programação. O presidente espera falar com ele; para reafirmar nosso compromisso com essa parceria, essa aliança de longa data; e continuar trabalhando juntos em uma série de questões importantes, inclusive a segurança do Indo-Pacífico.

P: O primeiro-ministro Johnson – em relação à reunião de hoje apenas – disse que o presidente está muito ocupado para fazer um acordo comercial – um acordo comercial bilateral. Isso está correto?

SRA. PSAKI: Eu acho que – bem, eu diria que o foco da reunião de hoje, do ponto de vista do presidente, será trabalharmos juntos em uma série de questões, incluindo manter a pandemia sob controle; certamente lidar com os desafios da economia global; certamente questões de segurança nas quais trabalhamos juntos por uma série de décadas, obviamente na sequência de um anúncio importante na semana passada.

Não tenho nada a dizer em relação a um acordo comercial.

P: (inaudível) mas não está na ordem do dia?

SRA. PSAKI: Mais uma vez, acho que essas são as questões principais, mas, é claro, o primeiro-ministro pode levantar uma série de questões, inclusive comercias. Veremos.

P: De volta à situação da fronteira. A senhora pode falar sobre a comunicação da Casa Branca com o governo mexicano a respeito dos refugiados haitianos na fronteira? Os EUA ou o governo Biden perguntaram algo específico ao governo do México em relação aos migrantes haitianos?

SRA. PSAKI: Nós, é claro, continuamos em contato estreito com o governo mexicano sobre como lidar com a situação desafiadora na fronteira, inclusive com a situação de vários haitianos que cruzaram a fronteira.

Mas isso não diz respeito a um país ou a indivíduos vindos de um país. Portanto, é parte de uma conversa ampla e contínua com o governo mexicano sobre como podemos continuar trabalhando juntos para lidar com a situação da migração na fronteira.

Mas eu não tenho nenhuma atualização específica sobre isso para você.

P: Tenho duas perguntas sobre o Irã. Uma sobre o ministro das Relações Exteriores ter dito hoje que espera retomar as negociações nucleares nas próximas semanas. E a segunda é sobre o presidente do Irã na ONU, que disse, no momento em que estávamos entrando no avião, que a nova forma de guerra dos EUA com as outras nações do mundo são as sanções econômicas, e “Nós não confiamos nas promessas feitas pelo governo dos Estados Unidos”, que alguns observadores estão dizendo que é uma retórica antiamericana ainda mais dura do que ouvimos de seus antecessores nas AGNUs anteriores. Então, onde estão as negociações nucleares? Onde está a dinâmica geral agora?

SRA. PSAKI: Bem, a porta permanece aberta para a diplomacia. Obviamente, eles tiveram sua própria eleição política, como todos sabem, que aconteceu no Irã.

E nossa equipe de negociação sempre disse que o melhor caminho é prosseguir com essas negociações, ter essas conversas e ver se podemos voltar à mesa de negociações. Não tenho nenhuma atualização sobre quando isso pode acontecer, mas certamente há uma abertura para isso, e espero que qualquer atualização sobre os próximos passos venha do Departamento de Estado.

No que se refere à retórica da liderança, eles têm a própria política deles e vou parar por aqui.

P: Jen, sobre refugiados, vocês acabaram de aumentar o limite para 125.000 para o próximo ano – o próximo ano fiscal. Mas, neste ano, o número era inferior a 8.000. A que você atribui o número baixo – e como se muda isso? Como se aproximar do limite real de refugiados, daqui para frente?

SRA. PSAKI: Claro. Bem, sempre foi nossa intenção – embora eu saiba que você está se referindo às etapas específicas e à comunicação com o Congresso, que tornou, acho, mais oficial o número de 125.000 – aumentar o limite para 125.000. Portanto, isso é apenas uma etapa do processo. Mas sempre soubemos que, quando aumentamos o limite, tanto para este ano fiscal quanto para o próximo, demora algum tempo para reativar os sistemas.

Sabemos que houve um impacto devido à pandemia de COVID por causa do processamento que precisa acontecer e do processo que deve acontecer globalmente. Também sabemos que várias das organizações vitais de defesa dos refugiados com as quais trabalhamos precisaram se reconstruir com a contratação de funcionários, mais financiamento e apoio depois que diminuíram um pouco nos últimos dois anos. Então, sabíamos que demoraria algum tempo.

Obviamente, os últimos dois meses foram fundamentais para essa reconstrução. E estamos satisfeitos de ver o progresso deles, e certamente estamos ansiosos para atingir o limite que estabelecemos para o próximo ano.

P: Sobre Roma e Glasgow, há alguma novidade sobre se Xi pode – disse a vocês que poderia vir e gostaria de se encontrar com o presidente em alguma dessas reuniões?

SRA. PSAKI: Não tenho nenhuma atualização sobre a programação de viagens do presidente da China neste momento.

P: (inaudível) o que ele pode ter falado para vocês, a senhora sabe?

SRA. PSAKI: Mais uma vez, o presidente, obviamente, há duas semanas – acho que foi há duas semanas – teve uma ligação construtiva de 90 minutos. Eles falaram sobre a importância de se engajar e continuar se engajando em alto nível. Mas eu não tenho nenhum detalhe sobre programação ou projeções para dar a vocês.

P: Na reunião com Morrison nesta manhã – ou no início da tarde – houve alguma discussão sobre o acordo com o AUKUS e sobre as consequências negativas com a França? Ou foi algo que eles simplesmente contornaram na conversa?

SRA. PSAKI: Acho que não tenho mais detalhes para vocês. Mas, vocês sabem, certamente posso reiterar – e isso é algo que o presidente expressou – que é importante continuar essas parcerias e relações fortes de trabalho com uma série de países enquanto abordamos a questão do Indo-Pacífico, inclusive com a França, com membros do AUKUS e países que não fazem parte do AUKUS, visto que o Indo-Pacífico é uma prioridade de segurança tão importante para o mundo.

E, de novo, eu sei que ele está ansioso para falar com o Presidente Macron nos próximos dias.


Veja o conteúdo original: https://www.whitehouse.gov/briefing-room/press-briefings/2021/09/21/press-gaggle-by-press-secretary-jen-psaki-en-route-washington-d-c/

Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.

U.S. Department of State

The Lessons of 1989: Freedom and Our Future