Departamento de Estado dos Estados Unidos
Nota à imprensa
Gabinete do Porta-voz
15 de agosto de 2021

Segue o texto de uma declaração conjunta sobre o Afeganistão inicialmente divulgada pelos seguintes: Albânia, Austrália, Áustria, Bahamas, Bélgica, Burkina Faso, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Costa do Marfim, Croácia, República Tcheca, Dinamarca , República Dominicana, El Salvador, Estônia, O Alto Representante da União Europeia para Relações Exteriores e Política de Segurança, Estados Federados da Micronésia, Fiji, Finlândia, França, Geórgia, Alemanha, Gana, Grécia, Guatemala, Guiana, Haiti, Honduras, Islândia, Irlanda, Itália, Japão, Kosovo, Letônia, Libéria, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Ilhas Marshall, Mauritânia, Montenegro, Nauru, Holanda, Nova Zelândia, Níger, Macedônia do Norte, Noruega, Palau, Panamá, Paraguai, Polônia , Portugal, Qatar, República da Coreia, República de Chipre, Romênia, Serra Leoa, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suriname, Suécia, Togo, Tonga, Uganda, Reino Unido, Ucrânia e Iêmen.

Começo do texto:

Dada a deterioração da situação de segurança, nós apoiamos, trabalhamos para proteger e conclamamos todas as partes a respeitar e facilitar a partida segura e ordenada de estrangeiros e afegãos que desejam deixar o país. Aqueles em posições de poder e autoridade em todo o Afeganistão, têm o dever e a responsabilidade de proteger a vida humana e propriedade e de restaurar, imediatamente, a segurança e ordem civil.

Os afegãos e cidadãos internacionais que desejam partir devem ser permitidos a fazê-lo; estradas, aeroportos e travessias de fronteiras devem permanecer abertos e a calma deve ser mantida.
O povo afegão merece viver em segurança, com proteção e dignidade. Nós, da comunidade internacional, estamos prontos para prestar assistência.

Fim do texto.


Veja o conteúdo original: https://www.state.gov/joint-statement-on-afghanistan/

Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.

U.S. Department of State

The Lessons of 1989: Freedom and Our Future