Departamento de Estado dos EUA
2 de maio de 2022

Autoridades e a mídia estatal e partidária da República Popular da China (RPC) e do Partido Comunista Chinês (PCC) amplificam rotineiramente a propaganda, as teorias da conspiração e a desinformação do Kremlin. Essa amplificação tenta justificar a guerra infundada e não provocada do presidente Putin contra a Ucrânia, enquanto mina a confiança nos Estados Unidos, em outros países, nas instituições democráticas e na mídia independente. Usando plataformas de mídias sociais proibidas na RPC, as mídias da RPC e do PCC e os diplomatas “Lobo Guerreiro” da RPC transmitem pontos de discussão tendenciosos do Kremlin para audiências em vários idiomas e regiões em todo o mundo. Enquanto isso, dentro da RPC, o PCC e entidades apoiadas pelo Estado censuram reportagens críveis sobre as atrocidades da Rússia na Ucrânia, enquanto culpam a OTAN e os Estados Unidos pela guerra brutal promovida por Putin. A “neutralidade pró-Rússia” dos funcionários da RPC evita o endosso público explícito ou a condenação da invasão e da conduta da Rússia na Ucrânia, e continua a insistir que Pequim é uma parte interessada neutra que respeita a “soberania e integridade territorial de todas as nações”. No entanto, a ampliação acrítica da mídia e das autoridades da RPC e do PCC das mensagens de Moscou demonstra o apoio de Pequim à Rússia.

CAIXA DE FERRAMENTAS DA RPC PARA INFLUENCIAR A OPINIÃO PÚBLICA SOBRE A UCRÂNIA:

  • As mídias da RPC e do PCC apresentam informações e alegações não confirmadas provenientes da mídia estatal russa e de funcionários do governo russo. Em um ciclo de retorno, a mídia estatal da Rússia cita a mídia da RPC e do PCC para retratar a posição da Rússia como amplamente apoiada.
  • As mídias da RPC e do PCC cobrem favoravelmente as falsas narrativas da Rússia, enquanto censuram e editam fortemente os EUA e outros funcionários de países democráticos e a mídia independente, assim como vozes críticas de dentro da RPC, em relação à guerra da Rússia contra a Ucrânia e atrocidades cometidas pelas forças russas.
  • Diplomatas “Lobo Guerreiro” da RPC impulsionam as narrativas do Kremlin amplificando e repostando conteúdo de meios de comunicação marginais e influenciadores anti-OTAN e anti-EUA que se alinham com as narrativas de Pequim. Frequentemente, esse conteúdo aparece na propaganda da RPC, do PCC e do Kremlin.

CRONOGRAMA DO APOIO DO RPC À NEGAÇÃO RUSSA & À TRANSFERÊNCIA DE CULPA PARA O OCIDENTE:

FEVEREIRO DE 2022 – APOIO DA RPC NA PREPARAÇÃO E ENQUADRAMENTO INICIAL DA INVASÃO DA RÚSSIA:

Pouco antes da invasão em larga escala da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro de 2022, as mídias e as autoridades da RPC e do PCC rotularam os EUA e outros relatos da invasão iminente da Rússia como uma campanha fracassada de “desinformação” e “terrorismo de informação” – ecoando o ministro das Relações Exteriores da Federação Russa, Sergey Lavrov, e as declarações anteriores da porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Maria Zakharova. Desde então, as mídias e as autoridades da RPC e do PCC recusaram-se visivelmente a chamar a nova invasão não provocada da Rússia na Ucrânia de “guerra”, em vez disso, chamando-a de “crise” ou usando o termo oficial do Kremlin “operação militar especial”, enquanto usam principalmente a palavra “invasão” no whataboutism”, retórica destinada a redirecionar a indignação contra o Ocidente, a OTAN e os Estados Unidos.

MARÇO DE 2022 – AMPLIFICAÇÃO PESADA DE MENSAGENS DO KREMLIN SOBRE BIOLABS PATROCINADOS PELOS EUA NA UCRÂNIA: Em 8 de março, o porta-voz da RPC MFA, Zhao Lijian, começou a amplificar a desinformação desmascarada da Rússia, alegando que os Estados Unidos patrocinaram laboratórios de armas biológicas na Ucrânia, incluindo a amplificação direta de desinformação promovida por Dilyana Gaytandzhieva, uma colaboradora frequente do South Front e do News Front, veículos pró-Kremlin sancionados pelos EUA. Essas acusações fabricadas se baseiam em anos de mensagens oportunistas anteriores da Rússia e da RPC. De acordo com um parceiro de pesquisa do GEC, a amplificação da desinformação da RPC em torno dos laboratórios de armas biológicas dos EUA na Ucrânia acabou se tornando uma das maiores campanhas de desinformação da RPC desde 2018, com mensagens direcionadas a públicos em vários idiomas e regiões ao redor do mundo.

ABRIL DE 2022 – NEGANDO A RESPONSABILIDADE DO KREMLIN PELAS ATROCIDADES EM BUCHA:

Depois que a Ucrânia acusou a Rússia de crimes de guerra contra civis em Bucha, perto de Kiev, as autoridades da RPC suprimiram a discussão do assunto dentro da RPC e as autoridades pediram uma investigação sem reconhecer evidências que desacreditem a negação da Rússia. Em 3 de abril, o MFA e o MoD da Rússia alegaram que as “imagens de Bucha [são] … uma provocação encenada pelo regime [de Kiev]”. Nos dias que se seguiram ao pronunciamento da Rússia, as mídias estatal e apoiada pelo partido da RPC amplificaram as conspirações da Rússia de que os Estados Unidos e a Ucrânia podem ter fabricado evidências das atrocidades, mesmo quando as autoridades da RPC pediram que “todos os lados” se abstivessem de “politização” e “acusações infundadas”.

ABRIL DE 2022 – DESVIANDO A CULPA DO KREMLIN NO BOMBARDEIO A KRAMATORSK: Autoridades da RPC e a mídia estatal evitaram relatar fatos que indicariam a responsabilidade da Rússia por ataques contra alvos civis, mesmo quando, em 8 de abril, um míssil balístico Tochka-U atingiu a principal estação ferroviária de Kramatorsk, na Ucrânia, matando mais de 50 pessoas, incluindo cinco crianças, e ferindo centenas. O MFA russo negou a responsabilidade pelo ataque, dizendo que apenas a Ucrânia era conhecida por usar o míssil em questão, apesar das evidências de que a Rússia já havia implantado essas armas. Assim como no caso de Bucha, as autoridades da RPC responderam ao atentado de Kramatorsk pedindo uma investigação completa e que “todos os lados” se abstivessem de “politização” e “acusações infundadas”. A mídia da RPC e o cônsul-geral em Osaka, no Japão, Xue Jian, chegaram ao ponto de repostar a teoria da conspiração russa de que a Ucrânia é responsável por bombardear seus próprios civis em Kramatorsk.

Para obter informações adicionais sobre os esforços da RPC e do PCC para ampliar a desinformação do Kremlin, você pode visitar: The New York TimesThe AtlanticThe DiplomatBBCAlliance for Securing DemocracyDoubleThink Lab.


Veja o conteúdo original: https://www.state.gov/disarming-disinformation/prc-efforts-to-amplify-the-kremlins-voice-on-ukraine/

Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.

U.S. Department of State

The Lessons of 1989: Freedom and Our Future