A Casa Branca
08 de Agosto de 2022

A África Subsaariana desempenha um papel crítico no avanço das prioridades globais em benefício de africanos e americanos. Possui uma das populações que mais crescem no mundo, as maiores áreas de livre comércio, os mais diversos ecossistemas e um dos maiores grupos regionais de votação nas Nações Unidas (ONU). É impossível enfrentar os desafios definidores de hoje sem as contribuições e liderança africanas. A região terá um papel de destaque nos esforços para: acabar com a pandemia da COVID-19; enfrentar a crise climática; reverter a maré global de retrocesso democrático; abordar a insegurança alimentar global; promover a equidade e igualdade de género; fortalecer um sistema internacional aberto e estável; moldar as regras do mundo em questões vitais como comércio, cibernética e tecnologias emergentes; e enfrentar a ameaça de terrorismo, conflito e crime transnacional.

Com base nas acções e compromissos da Administração Biden-Harris para aprofundar o nosso envolvimento e parcerias em África durante o ano passado, a estratégia articula a nossa nova visão para uma parceria EUA-África no século XXI. Reconhece as oportunidades tremendas e positivas que existem para promover interesses partilhados ao lado dos nossos parceiros africanos. Ao mesmo tempo, reconhecemos que o potencial de África continuará a ser desafiado enquanto conflitos mortais dividirem as sociedades, a corrupção impedir o progresso económico, a insegurança alimentar aumentar o risco de fome e desnutrição e a repressão sufocar os direitos humanos e a expressão democrática. Como o Presidente Biden observou no seu discurso à União Africana no ano passado, “nada disso será fácil, mas os Estados Unidos estão prontos agora para serem vossos parceiros, em solidariedade, apoio e respeito mútuo”.

A nova Estratégia dos EUA para a África Subsahariana representa uma reformulação da importância de África para os interesses de segurança nacional dos EUA. Almejamos quatro objectivos principais na África Subsahariana:

  1. FOMENTAR A ABERTURA E SOCIEDADES ABERTAS

Os Estados Unidos têm um interesse duradouro em garantir que a região permaneça aberta e acessível a todos e que os governos e o público possam fazer as suas próprias escolhas políticas, de acordo com as obrigações internacionais. As sociedades abertas geralmente estão mais inclinadas a trabalhar por causas comuns com os Estados Unidos, atrair maior comércio e investimento dos EUA, buscar políticas para melhorar as condições dos seus cidadãos e combater actividades prejudiciais da República Popular da China, Rússia e outros agentes. Promoveremos a abertura e sociedades abertas, incluindo:

  • Promover a transparência e responsabilidade do governo
  • Aumentar o nosso foco no estado de direito, justiça e dignidade
  • Ajudar os países africanos a alavancar de forma mais transparente os seus recursos naturais para o desenvolvimento sustentável
  1. ENTREGAR DIVIDENDOS DEMOCRÁTICOS E DE SEGURANÇA

O compromisso e a capacidade da região de renovar as suas democracias, bem como antecipar, prevenir e abordar conflitos emergentes e de longa duração, podem levar a resultados mais favoráveis para africanos e americanos. Ao abordar simultaneamente estes desafios e reafirmar que a democracia oferece benefícios tangíveis, os Estados Unidos podem oferecer escolhas positivas aos africanos à medida que determinam o seu próprio futuro. Ajudaremos África a entregar dividendos democráticos e de segurança, incluindo:

  • Trabalhar com aliados e parceiros regionais para conter a recente onda de autoritarismo e conquistas militares
  • Apoiar a sociedade civil, empoderar grupos marginalizados, centralizar as vozes de mulheres e jovens e defender eleições livres e justas
  • Melhorar a capacidade dos parceiros africanos para promover a estabilidade e segurança regionais
  • Reduzir a ameaça de grupos terroristas à pátria, pessoas e instalações diplomáticas e militares dos EUA
  1. PROMOVER A RECUPERAÇÃO DA PANDEMIA E OPORTUNIDADES ECONÓMICAS

É essencial abordar dois dos problemas mais prementes da região: a pandemia da COVID-19 e as suas consequências económicas e sociais. Estes desafios foram agravados por problemas na cadeia de suprimentos e insegurança alimentar decorrentes da guerra de agressão da Rússia na Ucrânia. Os Estados Unidos estão comprometidos em trabalhar com governos regionais e parceiros internacionais para construir economias africanas mais estáveis e inclusivas. Avançaremos na recuperação da pandemia e nas oportunidades económicas, incluindo:

  • Priorizar políticas e programas para encerrar a fase aguda da pandemia da COVID-19 e desenvolver capacidades para aumentar a preparação para a próxima ameaça à saúde
  • Apoiar iniciativas de produção de vacinas e outras contramedidas médicas
  • Promover uma trajetória de crescimento mais forte e sustentabilidade da dívida para apoiar a recuperação económica da região, inclusive através da Parceria para Infraestrutura e Investimento Global (PGII), Prosper Africa, Power Africa, Feed the Future e uma nova iniciativa para transformação digital
  • Estabelecer parcerias com países africanos para reconstruir o capital humano e os sistemas alimentares que foram ainda mais enfraquecidos pela pandemia e pela guerra da Rússia contra a Ucrânia
  1. APOIO À CONSERVAÇÃO, ADAPTAÇÃO DO CLIMA E A UMA TRANSIÇÃO DE ENERGIA JUSTA

Os esforços de África para conservar e restaurar os ecossistemas e os ricos recursos naturais do continente – ao mesmo tempo que realiza o acesso à energia e às metas de segurança energética, diversificando o seu cabaz energético e construindo cadeias de suprimentos sustentáveis – são fundamentais para enfrentar a crise climática global. Embora a região seja responsável por emissões per capita extremamente baixas, pode sofrer alguns dos efeitos mais graves das mudanças climáticas. Apoiaremos a conservação, a adaptação climática e uma transição energética justa, incluindo:

  • Estabelecer parcerias com governos, sociedade civil e comunidades locais para conservar, gerir e restaurar os ricos ecossistemas naturais do continente
  • Apoiar os países nos seus esforços para minimizar e adaptar-se aos impactos de um clima em mudança, incluindo o aumento da resiliência da comunidade, economia e cadeia de suprimentos
  • Trabalhar em estreita colaboração com os países para acelerar as suas transições justas para um futuro de energia limpa, acesso à energia e segurança energética
  • Buscar parcerias público-privadas para desenvolver e proteger de forma sustentável os minerais críticos que fornecerão tecnologias de energia limpa

Ver o conteúdo original: https://www.whitehouse.gov/briefing-room/statements-releases/2022/08/08/fact-sheet-u-s-strategy-toward-sub-saharan-africa/

Esta tradução é oferecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.

U.S. Department of State

The Lessons of 1989: Freedom and Our Future