A Casa Branca
10 de janeiro de 2022

“Estamos absolutamente comprometidos com o princípio ‘nada sobre a Ucrânia sem a Ucrânia’, assim como estamos totalmente comprometidos com o princípio ‘nada sobre a Europa sem Europa’”.
Secretário de Estado, Tony Blinken, 7 de janeiro de 2022

Os Estados Unidos, juntamente com seus aliados e parceiros, destacaram sua disposição de impor custos significativos à Rússia se houver mais ações militares contra a Ucrânia. Ao mesmo tempo, enfatizamos nossa preferência pela desescalada por meio da diplomacia. Os Estados Unidos estabeleceram princípios claros antes das conversas com a Rússia. Em primeiro lugar, não nos comprometeremos com nada sobre a Europa sem Europa. Em segundo lugar, qualquer discussão deve ser recíproca. Em terceiro, o progresso genuíno só pode ocorrer em um clima de desescalada.

Os Estados Unidos abordaram os envolvimentos diplomáticos desta semana com a Rússia – no Diálogo de Estabilidade Estratégica bilateral, o Conselho OTAN-Rússia e a Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) – alinhados estreitamente com nossos aliados e parceiros europeus, incluindo a Ucrânia, após extensas consultas. Nas últimas semanas, o presidente Biden falou com líderes de toda a Europa. Autoridades de todo o governo dos EUA – inclusive do Conselho de Segurança Nacional, Departamento de Estado, Departamento de Defesa, Departamento do Tesouro, Departamento de Energia e Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional – se envolveram frequentemente com seus colegas europeus.

Os destaques da estreita coordenação do governo Biden com aliados e parceiros nas últimas semanas incluem:

  • O presidente Biden conversou com 16 líderes europeus para discutir questões de segurança europeia e desenvolver uma abordagem transatlântica coordenada e abrangente.
  • O secretário Blinken realizou mais de duas dúzias de ligações e reuniões com líderes estrangeiros e ministros das Relações Exteriores para discutir nossa resposta coordenada ao aumento militar da Rússia ao longo da fronteira com a Ucrânia. Além disso, ele participou de reuniões ministeriais no G7, OTAN e OSCE, além de se envolver com a liderança da UE e da Ucrânia.
  • O secretário Austin conversou com oito de seus colegas europeus sobre questões de segurança na Europa e as ações desestabilizadoras da Rússia na região. O chefe do Estado-Maior Conjunto Milley também engajou líderes militares em toda a Europa.
  • O Conselheiro de Segurança Nacional Sullivan coordenou extensivamente com suas contrapartes europeias, tendo feito dezenas de ligações para contrapartes bilaterais em toda a Europa, da UE e Turquia à Finlândia e Romênia. Ele também convocou chamadas em formatos multilaterais, inclusive com os países nórdicos, aliados do flanco leste e França, Alemanha, Itália, Polônia e Reino Unido. Ele também tem mantido contato regular com sua contraparte ucraniana. 
  • O governo Biden está em contato constante com autoridades ucranianas. Nas últimas semanas, o presidente Biden falou duas vezes com o presidente Zelenskyy. O secretário Blinken falou duas vezes com o presidente Zelenskyy e duas vezes com o ministro das Relações Exteriores Kuleba. O Conselheiro de Segurança Nacional Sullivan falou sete vezes com o Chefe da Administração Presidencial Yermak. O chefe do Estado-Maior Conjunto Milley conversou quatro vezes com o comandante das Forças Armadas da Ucrânia, Tenente-General Zaluzhny. Além disso, altos funcionários do Departamento de Estado e do Departamento de Defesa se relacionam regularmente com suas contrapartes ucranianas.
  • O governo Biden buscou consultas estreitas com os aliados do flanco leste da OTAN devido às suas preocupações de segurança, incluindo ligações bilaterais e no formato dos Nove de Bucareste (Bucharest Nine, B9) pelo presidente Biden, secretário Blinken, conselheiro de segurança nacional Sullivan e outros funcionários do governo.
  • O governo Biden continua a trabalhar em estreita colaboração com a União Europeia. O presidente Biden recebeu o presidente da Comissão Europeia von der Leyen. O Secretário Blinken falou com o Presidente do Conselho Europeu Michel e o Alto Representante Borrell. Altos funcionários do Departamento de Estado e do Conselho de Segurança Nacional realizaram inúmeras ligações e reuniões com seus homólogos da UE, inclusive em Bruxelas. O governo saudou as conclusões do Conselho Europeu de dezembro de 2021,que expressavam a disposição da UE de impor graves consequências econômicas se a Rússia invadir ainda mais a Ucrânia. Funcionários do Departamento do Tesouro, Departamento de Estado e Conselho de Segurança Nacional continuam envolvidos com os colegas da UE para coordenar nossas sanções em resposta.
  • Além de extensas consultas na OTAN, o governo Biden se envolveu com parceiros da OTAN – incluindo a Geórgia, também vítima da agressão russa, assim como a Suécia e a Finlândia – para discutir seus pontos de vista sobre a segurança europeia.
  • Altos funcionários do governo permanecem em contato regular com suas contrapartes. Além das interações listadas abaixo, dezenas de ligações também foram feitas pelo vice-conselheiro de segurança nacional, Jon Finer, pela subsecretária de Estado, Victoria Nuland, pela secretária de Estado adjunta para assuntos europeus e euro-asiáticos, Karen Donfried, e outros funcionários do governo dos EUA. Nossos embaixadores recentemente confirmados na OTAN e na OSCE, Julianne Smith e Michael Carpenter, também trabalharam em estreita colaboração com suas contrapartes.

VISÃO GERAL DOS ENGAJAMENTOS DIPLOMÁTICOS
A seguir, uma lista ilustrativa de consultas realizadas pelo governo Biden antes das conversas com a Rússia. Esta lista não é exaustiva ou abrangente, uma vez que houve extensas chamadas e reuniões em todos os níveis de governos e em várias agências, mas demonstra o compromisso do Governo em permanecer em sintonia com os Aliados e parceiros.

Compromissos com a Ucrânia

Compromissos com a OTAN

Compromissos com a União Europeia

Compromissos com a OSCE

Engajamentos com Bucharest Nine (B9) e Aliados do Flanco Oriental da OTAN

Engajamentos com Parceiros e AliadosTransatlânticos

Engajamento com Parceiros da OTAN (Geórgia, Finlândia, Suécia)

Próximas consultas com Parceiros e Aliados Transatlânticos

  • 10 de janeiro: Embaixador da USNATO, Smith, participará com os Aliados e a Ucrânia na Comissão OTAN-Ucrânia
  • 11 de janeiro: Vice-secretária Sherman se reunirá com o secretário-geral da OTAN, Stoltenberg
  • 11 de janeiro: Vice-secretária Sherman informará os aliados da OTAN em uma reunião do Conselho do Atlântico Norte sobre o Diálogo de Estabilidade Estratégica em Genebra
  • 11 de janeiro: Vice-secretária Sherman informará os embaixadores dos estados membros da UE no Conselho do Comitê Político e de Segurança da UE
  • 11 de janeiro: Vice-secretária Sherman se reunirá com o chefe de gabinete do presidente da Comissão Europeia, Seibert, e o secretário-geral do Serviço de Ação Externa Europeu, Sannino
  • 12 de janeiro: Vice-secretária Sherman liderará a Delegação dos EUA no Conselho OTAN-Rússia
  • 13 de janeiro: Embaixador da USOSCE, Carpenter, participará da reunião do Conselho Permanente da OSCE sobre Rússia-Ucrânia

Veja o conteúdo original: https://www.whitehouse.gov/briefing-room/statements-releases/2022/01/10/fact-sheet-u-s-diplomatic-engagement-with-european-allies-and-partners-ahead-of-talks-with-russia/

Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.

U.S. Department of State

The Lessons of 1989: Freedom and Our Future