A Casa Branca
5 de abril 2022

Hoje, os Estados Unidos, com o G7 e a União Europeia, continuarão impondo custos econômicos severos e imediatos ao regime de Putin por suas atrocidades na Ucrânia, inclusive em Bucha. Documentaremos e compartilharemos informações sobre essas atrocidades e usaremos todos os mecanismos apropriados para responsabilizar os responsáveis. Como parte desse esforço, os Estados Unidos estão anunciando medidas econômicas devastadoras para proibir novos investimentos na Rússia e impor as mais severas sanções financeiras ao maior banco da Rússia e várias de suas empresas estatais mais fundamentais e a funcionários do governo russo e seus familiares. Essas amplas sanções financeiras são um seguimento de nossa ação no início desta semana para cortar os fundos congelados da Rússia nos Estados Unidos para pagar dívidas. É importante ressaltar que essas medidas são projetadas para reforçar umas às outras e gerar um impacto intensificado ao longo do tempo.

Os Estados Unidos e mais de 30 aliados e parceiros em todo o mundo impuseram as restrições econômicas mais impactantes, coordenadas e abrangentes da história. Especialistas preveem que o PIB da Rússia se contrairá em até 15% este ano, eliminando os últimos 15 anos de ganhos econômicos. A inflação já está acima de 15% e a previsão é um aceleramento maior. Mais de 600 empresas do setor privado já deixaram o mercado russo. As cadeias de suprimentos na Rússia foram severamente interrompidas. A Rússia muito provavelmente perderá seu status de grande economia e continuará sua longa descida ao isolamento econômico, financeiro e tecnológico. Em comparação com o ano passado, as exportações dos EUA para a Rússia de itens sujeitos aos nossos novos controles de exportação diminuíram 99% em valor – e o poder dessas restrições aumentará com o tempo, à medida que a Rússia esgotar quaisquer estoques restantes de peças sobressalentes para certos aviões e tanques, além de outros recursos necessários para a máquina de guerra de Putin.

Enquanto a Rússia continuar seu ataque brutal à Ucrânia, permaneceremos unidos com nossos aliados e parceiros na imposição de custos adicionais à Rússia por suas ações. Hoje, os Estados Unidos estão anunciando as seguintes ações:

Sanções de bloqueio total contra a maior instituição financeira da Rússia, o Sberbank, e o maior banco privado da Rússia, o Alfa Bank. Essa ação congelará qualquer um dos ativos do Sberbank e do Alfa Bank que toquem o sistema financeiro dos EUA e proibirá os americanos de fazer negócios com eles. O Sberbank detém quase um terço dos ativos gerais do setor bancário russo e é sistemicamente crítico para a economia russa. O Alfa Bank é a maior instituição financeira privada da Rússia e a quarta maior instituição financeira da Rússia em geral.

Proibir novos investimentos na Federação Russa. O presidente Biden assinará uma nova Ordem Executiva (O.E.) que inclui a proibição de novos investimentos na Rússia por pessoas dos EUA onde quer que estejam, o que isolará ainda mais a Rússia da economia global. Esta ação se baseia na decisão tomada por mais de 600 empresas multinacionais de sair da Rússia. O êxodo do setor privado inclui fabricantes, empresas de energia, grandes varejistas, instituições financeiras, além de outros prestadores de serviços, como escritórios de advocacia e consultoria. A O.E. de hoje garantirá o enfraquecimento duradouro da competitividade global da Federação Russa.

Sanções de bloqueio total sobre as principais empresas estatais russas. Isso proibirá qualquer pessoa dos EUA de negociar com essas entidades e congelará qualquer um de seus ativos sujeitos à jurisdição dos EUA, prejudicando assim a capacidade do Kremlin de usar essas entidades das quais depende para permitir e financiar sua guerra na Ucrânia. O Departamento do Tesouro anunciará essas entidades amanhã.

Sanções de bloqueio total às elites russas e seus familiares, incluindo sanções a: filhos adultos do presidente Putin, esposa e filha do ministro das Relações Exteriores, Lavrov, e membros do Conselho de Segurança da Rússia, incluindo o ex-presidente e primeiro-ministro da Rússia Dmitry Medvedev e o primeiro-ministro Mikhail Mishustin. Esses indivíduos enriqueceram às custas do povo russo. Alguns deles são responsáveis ​​por fornecer o apoio necessário para sustentar a guerra de Putin contra a Ucrânia. Essa ação os separa do sistema financeiro dos EUA e congela todos os ativos que eles detêm nos Estados Unidos.

O Tesouro dos EUA proibiu a Rússia de fazer pagamentos de dívidas com fundos sujeitos à jurisdição dos EUA. As sanções não impedem os pagamentos da dívida soberana russa neste momento, desde que a Rússia use fundos fora da jurisdição dos EUA. No entanto, a Rússia é um pária financeiro global – e agora precisará escolher entre drenar seus fundos disponíveis para fazer pagamentos de dívidas ou dar um calote.

Compromisso em apoiar setores essenciais às atividades humanitárias. À medida que continuamos aumentando nossas sanções e outras medidas econômicas contra a Rússia por sua guerra brutal contra a Ucrânia, reiteramos nosso compromisso de isentar atividades humanitárias essenciais e relacionadas que beneficiam o povo russo e o povo em todo o mundo: garantindo a disponibilidade de alimentos básicos e commodities agrícolas, protegendo o acesso a medicamentos e dispositivos médicos e permitindo que os serviços de telecomunicações apoiem o fluxo de informações e o acesso à Internet que fornece perspectivas externas ao povo russo. Essas atividades não são alvos de nossos esforços e as empresas americanas e ocidentais podem continuar operando nesses setores na Rússia. Quando necessário, os departamentos e agências relevantes emitirão isenções apropriadas para garantir que atividades específicas não sejam interrompidas.


Veja o conteúdo original: https://www.whitehouse.gov/briefing-room/statements-releases/2022/04/06/fact-sheet-united-states-g7-and-eu-impose-severe-and-immediate-costs-on-russia/

Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.

U.S. Department of State

The Lessons of 1989: Freedom and Our Future