A Casa Branca
12 de outubro de 2022

A Estratégia de Segurança Nacional do presidente Biden descreve como os Estados Unidos promoverão nossos interesses vitais e lutarão por um mundo livre, aberto, próspero e seguro. Nós buscaremos alavancar todos os elementos de nosso poder nacional para superar nossos concorrentes estratégicos; enfrentar desafios compartilhados; e moldar as regras do caminho.

A Estratégia está enraizada em nossos interesses nacionais: proteger a segurança do povo americano, expandir as oportunidades econômicas e realizar e defender os valores democráticos no cerne do modo de vida americano. Na busca por esses objetivos, iremos:

  • Investir nas fontes e ferramentas subjacentes do poder e da influência americanos;
  • Construir a coalizão de nações mais forte possível para aumentar nossa influência coletiva a fim de moldar o ambiente estratégico global e resolver desafios compartilhados; e
  • Modernizar e fortalecer nossas forças armadas para que estejam equipadas para a era da competição estratégica.

COOPERAÇÃO NA ERA DA COMPETIÇÃO
Nos primeiros anos desta década decisiva, os termos da competição geopolítica serão definidos, enquanto a janela de oportunidade para lidar com os desafios compartilhados se estreitará. Não podemos competir com sucesso para moldar a ordem internacional se não tivermos um plano afirmativo para enfrentar os desafios compartilhados, e não poderemos fazer isso a menos que reconheçamos como a competição acirrada afeta a cooperação e ajamos de acordo.

Competição Estratégica. O desafio estratégico mais premente que enfrentamos enquanto buscamos um mundo livre, aberto, próspero e seguro vem de poderes que mesclam governança autoritária com uma política externa revisionista.

  • Competiremos efetivamente com a República Popular da China, que é o único concorrente tanto com intenção quanto com, cada vez mais, capacidade de remodelar a ordem internacional, ao mesmo tempo em que aperta uma Rússia perigosa.
  • A competição estratégica é global, mas evitaremos a tentação de ver o mundo apenas através de uma lente competitiva e envolveremos os países em seus próprios termos.

Desafios Compartilhados. Enquanto essa competição está em andamento, povos de todo o mundo estão lutando para lidar com os efeitos de desafios compartilhados que atravessam fronteiras – sejam mudanças climáticas, insegurança alimentar, doenças transmissíveis ou inflação. Esses desafios compartilhados não são questões marginais secundárias à geopolítica. Eles estão no cerne da segurança nacional e internacional e devem ser tratados como tal.

  • Estamos construindo a mais forte e ampla coalizão de nações para aumentar nossa capacidade coletiva de resolver esses desafios e mostrar resultados para o povo americano e para povos ao redor do mundo.
  • Para preservar e aumentar a cooperação internacional em uma era de competição, buscaremos uma abordagem de duas vias. Por um lado, trabalharemos com qualquer país, incluindo nossos concorrentes, dispostos a abordar de forma construtiva os desafios compartilhados dentro da ordem internacional baseada em regras e trabalhando para fortalecer as instituições internacionais. Por outro lado, aprofundaremos a cooperação com as democracias no centro de nossa coalizão, criando uma rede de relacionamentos fortes, resilientes e de reforço mútuo que provam que as democracias podem oferecer benefícios para seus povos e para o mundo.

INVESTINDO EM CASA
O governo Biden-Harris quebrou a linha divisória entre políticas interna e externa porque nossas forças dentro de casa e no exterior estão inextricavelmente ligadas. Os desafios de nossa época, da competição estratégica às mudanças climáticas, exigem que façamos investimentos que aprimorem nossa vantagem competitiva e reforcem nossa resiliência.

  • Nossa democracia está no cerne de quem somos e é um trabalho contínuo em andamento. Nosso sistema de governo consagra o estado de direito e se esforça para proteger a igualdade e a dignidade de todos os indivíduos. À medida que nos esforçamos para viver de acordo com nossos ideais, para reconhecer e remediar nossas deficiências, inspiraremos outras pessoas ao redor do mundo a fazer o mesmo.
  • Estamos complementando o poder inovador do setor privado com uma estratégia industrial moderna que faz investimentos públicos estratégicos em nossa força de trabalho, setores estratégicos e cadeias de suprimentos, especialmente em tecnologias críticas e emergentes.
  • Um poderoso exército dos EUA ajuda a promover e salvaguardar os interesses nacionais vitais dos EUA, apoiando a diplomacia, confrontando a agressão, dissuadindo conflitos, projetando força e protegendo o povo americano e seus interesses econômicos. Estamos modernizando nossas forças armadas, buscando tecnologias avançadas e investindo em nossa força de trabalho de defesa para melhor posicionar os Estados Unidos para defender nossa pátria, nossos aliados, parceiros e interesses no exterior e nossos valores em todo o mundo.

NOSSA LIDERANÇA PERMANENTE
Os Estados Unidos continuarão a liderar com força e propósito, alavancando nossas vantagens nacionais e o poder de nossas alianças e parcerias. Temos a tradição de transformar desafios domésticos e estrangeiros em oportunidades para estimular a reforma e o rejuvenescimento em casa. A ideia de que devemos competir com grandes potências autocráticas para moldar a ordem internacional tem amplo apoio bipartidário em casa e está aumentando no exterior.

  • Nossas alianças e parcerias em todo o mundo são nosso ativo estratégico mais importante que aprofundaremos e modernizaremos em benefício de nossa segurança nacional.
  • Valorizamos o crescimento do tecido conjuntivo em tecnologia, comércio e segurança entre nossos aliados e parceiros democráticos no Indo-Pacífico e na Europa porque reconhecemos que eles se reforçam mutuamente e os destinos das duas regiões estão interligados.
  • Estamos traçando novos arranjos econômicos para aprofundar os compromissos econômicos com nossos parceiros e moldando as regras do caminho para nivelar o campo de jogo e permitir que trabalhadores e empresas americanas – e parceiros e aliados em todo o mundo – prosperem.
  • À medida que aprofundamos nossas parcerias em todo o mundo, buscaremos mais democracia, não menos que isso, para moldar o futuro. Reconhecemos que, embora a autocracia seja frágil em sua essência, a capacidade inerente da democracia de corrigir o curso de forma transparente permite a resiliência e o progresso.

ENGAJAMENTO AFIRMATIVO
Os Estados Unidos são uma potência global com interesses globais; somos mais fortes em cada região por causa do nosso engajamento nas demais. Estamos buscando uma agenda afirmativa para promover a paz e a segurança e para promover a prosperidade em todas as regiões.

  • Como potência do Indo-Pacífico, os Estados Unidos têm um interesse vital em promover uma região aberta, interconectada, próspera, segura e resiliente. Somos ambiciosos porque sabemos que nós e nossos aliados e parceiros temos uma visão comum para o futuro da região.
  • Com uma relação enraizada em valores democráticos partilhados, interesses comuns e laços históricos, a relação transatlântica é uma plataforma vital sobre a qual se constroem muitos outros elementos da nossa política externa. Para perseguir efetivamente uma agenda global comum, estamos ampliando e aprofundando o vínculo transatlântico.
  • O Hemisfério Ocidental afeta diretamente os Estados Unidos mais do que qualquer outra região, por isso continuaremos a reviver e aprofundar essas parcerias para promover a resiliência econômica, a estabilidade democrática e a segurança cidadã.
  • Um Oriente Médio mais integrado que capacite nossos aliados e parceiros promoverá a paz e a prosperidade regionais, ao mesmo tempo em que reduzirá as demandas de recursos que a região impõe aos Estados Unidos no longo prazo.
  • Na África, o dinamismo, a inovação e o crescimento demográfico da região a tornam central para enfrentar problemas globais complexos.

Veja o conteúdo original: https://www.whitehouse.gov/briefing-room/statements-releases/2022/10/12/fact-sheet-the-biden-harris-administrations-national-security-strategy/

Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.

 

U.S. Department of State

The Lessons of 1989: Freedom and Our Future