Departamento de Estado dos Estados Unidos 
G.abinete do Porta-voz 
Ficha informativa 
12 de Fevereiro de 2024 

Hoje, o Centro de Envolvimento Global do Departamento de Estado dos EUA expõe os serviços de inteligência da Rússia por fornecerem apoio material e orientação à “Iniciativa Africana”, uma nova agência de informação centrada nas relações África-Rússia que espalhou desinformação sobre os Estados Unidos e os países europeus. 

A campanha de desinformação do Kremlin em África: 

  • Além dos seus próprios funcionários, a Iniciativa Africana recruta jornalistas africanos, bloggers e membros do público local para apoiar e ampliar o trabalho da organização de reforçar a imagem da Rússia e denegrir a de outros países. 
  • Uma das primeiras grandes campanhas da Iniciativa Africana visa atingir as iniciativas de saúde dos EUA e do Ocidente em África com desinformação perigosa relacionada com a saúde. A campanha procura minar os projectos de saúde pública financiados pelos EUA em toda a África, começando com a desinformação sobre um surto de uma doença viral transmitida por mosquitos. 
  • A partir daí, serão propagadas conspirações sobre as empresas farmacêuticas ocidentais, os esforços filantrópicos centrados na saúde e a propagação de doenças na África Ocidental e Oriental. 

Os agentes envolvidos: 

  • O Director de Redacção da Iniciativa Africana é Artem Sergeyevich Kureyev, que é também o Director Geral da Initsiativa-23, registada publicamente num escritório em Moscovo. 
  • Alguns membros da Iniciativa Africana foram recrutados nas empresas em desintegração do falecido Yevgeniy Prigozhin. 
  • A organização já tem escritórios locais em Ouagadougou, no Burkina Faso e Bamako, no Mali e está a organizar eventos no terreno. 

Branqueamento da desinformação do Kremlin para que esta pareça orgânica: 

  • A Iniciativa Africana espalha principalmente a sua desinformação e propaganda através de numerosas contas de redes sociais de marca e sem marca. Duas das suas principais contas são a “Iniciativa Africana” e a “Kalashnikov Africana”. 
  • A organização é altamente activa no seu website, afrinz.ru, e VKontakte, e utiliza estas plataformas e outras amplificadas por contas pró-Rússia adicionais. 
  • O popular canal Telegram “Smile and Wave” é um amplificador frequente do conteúdo da Iniciativa Africana. 

A manipulação de informação estrangeira continua a ser uma ameaça crítica em todo o mundo, uma vez que actores autoritários como o Governo russo a utilizam para exacerbar divisões sociais, distorcer o discurso nacional e perturbar fundamentalmente a capacidade das pessoas de tomarem decisões informadas para si próprias e para as suas comunidades. Ao apoiar esta rede de desinformação, o Governo russo está a prejudicar activamente os países que visa e o Continente Africano como um todo. 

Recentemente, o Centro de Envolvimento Global do Departamento de Estado dos EUA expôs as tentativas do Kremlin de minar o apoio global à Ucrânia, espalhando secretamente desinformação na América Latina. A táctica central dessa campanha envolveu o branqueamento de conteúdos produzidos em Moscovo através de indivíduos e grupos locais para fazer com que a desinformação e a propaganda pró-Kremlin parecessem orgânicas aos olhos das comunidades onde foram difundidas. Após a interrupção dessa operação, o Governo russo está agora a tentar a mesma táctica em África com um novo conjunto de actores e entidades. 

A manipulação de informação estrangeira é uma táctica perigosa e desestabilizadora, mas é especialmente prejudicial quando tem como alvo a informação sobre saúde. Esta campanha de desinformação do Kremlin deve terminar imediatamente antes que represente um risco ainda maior para a segurança sanitária em África. 

Para questões de imprensa, entre em contato com o Centro de Envolvimento Global em GECMediaContacts@State.gov. 


Ver o conteúdo original: https://www.state.gov/the-kremlins-efforts-to-spread-deadly-disinformation-in-africa/ 

Esta tradução é oferecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.

U.S. Department of State

The Lessons of 1989: Freedom and Our Future