A Casa Branca
14 de março de 2022
Washington DC.

De suaves canções de ninar a gritos de guerra por justiça, as mulheres cuidam e nutrem, ensinam e constroem, lideram e sonham com um mundo novo – todos os dias.

As mulheres nunca se calaram, mas as mulheres foram caladas: com violência, ódio, discriminação e isolamento, com trabalho e cuidado que nunca terminam.

As mulheres foram informadas de que são perigosas. E isso porque elas são perigosas para a corrupção e a injustiça. Quando levantamos nossas vozes, temos o poder de quebrar os escudos da opressão.

É por isso que homens covardes impedem as meninas de aprender. É por isso que os corpos das mulheres se tornam vítimas da guerra.

Como todos nós, meu coração doeu assistindo a vídeos da Ucrânia. Crianças doentes fugindo em trens médicos improvisados, o impensável bombardeio de uma maternidade. Pais chorando pelos corpos quebrados de seus filhos nas ruas. A insensatez é impressionante.

Também sabemos que há horrores acontecendo ao redor do mundo que nunca aparecem no noticiário da noite. Há corpos quebrados de crianças e mulheres que carregam as cicatrizes da guerra em todo o mundo.

E há mulheres em todos os lugares cujas vozes precisam ser ouvidas – porque as histórias são poderosas. Elas moldam nossas vidas — definindo as sombras de nossa alegria e tristeza, separando o que importa do resto. Elas são como entendemos e nos conectamos uns aos outros – além da linguagem, da distância e do tempo. Elas promovem a empatia e obrigam cada um de nós a agir.

Continuo dando aulas de escrita em uma faculdade comunitária próxima e, em minhas aulas, vejo os alunos ganharem confiança quando colocam suas vidas no papel. Eu os vejo se aproximarem uns dos outros quando compartilham suas histórias, percebendo que suas diferenças são preciosas e suas semelhanças infinitas.

As histórias que contamos importam.

Meu marido, nosso Presidente, sabe disso. Ele sabe como as histórias que ouviu de sobreviventes de abuso não o deixaram dormir à noite, e como aquelas histórias o inspiraram a escrever e defender a Lei de Violência Contra as Mulheres.

Ele sabe que as vozes das mulheres têm sido o cerne da resistência à tirania e que nenhum país que oprime metade de sua população pode prosperar.

E ele sabe que os Estados Unidos devem liderar uma comunidade global dedicada a acabar com a corrupção, a injustiça e a brutalidade que silenciam as mulheres.

Porque não pode haver verdadeira democracia, verdadeira paz, verdadeira prosperidade sem as vozes das mulheres. Não pode haver história sem nossas histórias.

É por isso que o que fazemos aqui ressoa muito além dessas paredes.

Por 16 anos, esses prêmios deram voz a mulheres em todo o mundo. Ele iluminou as lutas e a força das mulheres no Norte, Sul, Leste e Oeste global. Declarou a todas: Os Estados Unidos estão com essas heroínas. Elas não estão sozinhas.

Hoje, homenageamos doze mulheres – e vamos mais longe, dando a elas uma plataforma para falar a verdade com suas próprias palavras. Reconhecemos o poder que elas têm – para enfrentar os desafios mais terríveis do nosso tempo e nos motivar a fazer mais.

Quando você ouvir as histórias delas, guarde-as perto de seu coração. Compartilhe-as com suas filhas e filhos, e com todos que você conhece.

Conte as histórias delas porque elas podem inspirar nosso mundo a ter coragem.

Conte as histórias delas porque as mulheres guerreiras em todos os lugares precisam ouvir o que é possível fazer.

Conte as histórias delas porque há uma irmandade de meninas que guardam um universo de possibilidades dentro de si e que precisam saber que o futuro também lhes pertence.

A todas as Mulheres de Coragem – aquelas que lutam contra a injustiça na América Latina ou esperam poder estudar no Oriente Médio, trabalhando pela democracia e estabilidade na Europa, protegendo suas famílias na África Subsaariana ou se manifestando contra a violência de gênero na Ásia – continuaremos trabalhando com paixão e persistência, com desenvolvimento e democracia, para deter aqueles que querem te silenciar.

E contaremos suas histórias, mesmo quando vocês não puderem.


Veja o conteúdo original: https://www.whitehouse.gov/briefing-room/statements-releases/2022/03/14/remarks-as-prepared-for-delivery-by-first-lady-jill-biden-at-the-2022-international-women-of-courage-award-ceremony/ 

Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.

U.S. Department of State

The Lessons of 1989: Freedom and Our Future