A Casa Branca
PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA
8 de março de 2022
Salão Roosevelt
11:25 A.M. EST

O PRESIDENTE: Bom dia, pessoal. Desculpem por deixá-los esperando. Eu estava em algumas ligações.

Hoje estou anunciando que os Estados Unidos têm como alvo a principal artéria da economia da Rússia.

Estamos proibindo todas as importações de petróleo, gás e energia da Rússia.

Isso significa que o petróleo russo não será mais aceitável nos portos dos EUA, e o povo americano dá mais um golpe poderoso na máquina de guerra de Putin.

Essa é uma medida que tem forte apoio bipartidário no Congresso e, acredito, no país.

Os americanos fizeram manifestações em apoio – se manifestaram em apoio ao povo ucraniano e deixaram claro que não faremos parte do subsídio à guerra de Putin.

Essa decisão foi tomada – tomamos essa decisão em estreita colaboração com nossos aliados e nossos parceiros em todo o mundo, particularmente na Europa, porque uma resposta unificada à agressão de Putin tem sido meu foco principal, manter toda a OTAN e toda a UE e nossos aliados totalmente unidos.

Estamos avançando nessa proibição, entendendo que muitos de nossos aliados e parceiros europeus podem não estar em condições de se juntar a nós.

Os Estados Unidos produzem muito mais petróleo internamente do que todos os europeus – todos os países europeus juntos. Na verdade, somos um exportador líquido de energia. Assim, podemos dar este passo enquanto outros não podem.

Mas estamos trabalhando em estreita colaboração com a Europa e nossos parceiros para desenvolver uma estratégia de longo prazo para reduzir também a dependência deles da energia russa.

Nossas equipes estão discutindo ativamente como fazer isso acontecer. E hoje, continuamos unidos – continuamos unidos em nosso propósito de manter a pressão sobre Putin e sua máquina de guerra.

Este é um passo que estamos dando para atingir mais o Putin. Mas haverá custos também aqui nos Estados Unidos. Eu disse que iria me alinhar com o povo americano desde o início. E, quando falei sobre isso pela primeira vez, disse que defender a liberdade vai custar – vai nos custar um preço também, nos Estados Unidos.

Republicanos e democratas entendem – igualmente entendem isso. Tanto republicanos quanto democratas deixaram claro que devemos fazer isso.

Na última semana, conversei com o presidente Zelenskyy várias vezes para ouvi-lo sobre a situação no terreno e para consultar e continuar consultando nossos aliados europeus e sobre o apoio dos EUA à Ucrânia e ao povo ucraniano.

Até agora, fornecemos mais de US$ 1 bilhão em assistência de segurança à Ucrânia. Remessas de armas defensivas estão chegando à Ucrânia todos os dias dos Estados Unidos. E nós, os Estados Unidos, somos os que coordenam a entrega de nossos aliados e parceiros de armas semelhantes, da Alemanha à Finlândia e à Holanda. Estamos – estamos – estamos resolvendo isso.

Também estamos fornecendo apoio humanitário ao povo ucraniano, tanto para aqueles que ainda estão na Ucrânia quanto para aqueles que fugiram em segurança para um país vizinho.

Estamos trabalhando com organizações humanitárias para enviar dezenas de milhares de toneladas de alimentos, água e suprimentos médicos para a Ucrânia, e temos mais a caminho.

No fim de semana, enviei o Secretário de Estado Blinken para visitar nossa fronteira entre a Polônia e a Ucrânia e a Moldávia para ver qual era a situação em primeira mão e relatar.

O General Milley, chefe do Estado-Maior Conjunto do nosso Departamento de Defesa, também está – também esteve na Europa, encontrando-se com suas contrapartes e Aliados no flanco leste da OTAN para tranquilizá-los – aqueles países que fazem fronteira com a Rússia, países da OTAN – que nós manteremos nosso compromisso com a OTAN – um compromisso sagrado com o Artigo 5.

A vice-presidente Harris viajará para se encontrar com nossos aliados na Polônia e na Romênia no fim desta semana também.

Deixei claro que os Estados Unidos compartilharão a responsabilidade de cuidar dos refugiados para que os custos não recaiam inteiramente nos países europeus que fazem fronteira com a Ucrânia.

E ontem conversei com meus colegas da França, Alemanha e Reino Unido sobre a escalada da violência da Rússia contra a Ucrânia e as medidas que vamos tomar junto com nossos aliados e parceiros em todo o mundo para responder a essa agressão.

Estamos aplicando o pacote mais significativo de sanções econômicas da história e estamos causando danos significativos à economia da Rússia.

Isso fez com que a economia russa, francamente, afundasse. O rublo russo agora caiu para 50% do valor – 50% do valor que tinha desde que Putin anunciou sua guerra. Um rublo agora vale menos que um centavo americano. Um rublo é menos que um centavo do dólar americano.

E estamos impedindo que o Banco Central da Rússia sustente o rublo e mantenha seu valor. Eles não vão conseguir fazer isso agora.

Cortamos os maiores bancos da Rússia do sistema financeiro internacional e isso prejudicou a capacidade daquele país de fazer negócios com o resto do mundo.

Além disso, estamos sufocando o acesso da Rússia à tecnologia, como os semicondutores que são – e minamos sua força econômica e enfraquecemos suas forças armadas para os próximos anos.

Grandes empresas estão se retirando totalmente da Rússia, sem sequer serem solicitadas – não por nós. No fim de semana, Visa, Mastercard, American Express – todos suspenderam seus serviços na Rússia. Todos eles.

Juntando-se a uma lista crescente de empresas americanas e globais, da Ford à Nike e à Apple, que suspenderam suas operações na Rússia.

A bolsa de valores dos EUA interrompeu a negociação de muitos títulos russos. E o setor privado está unido contra a guerra cruel e premeditada da Rússia.

O Departamento de Justiça dos EUA montou uma força-tarefa dedicada para perseguir os russos – os crimes dos oligarcas russos.

E estamos nos juntando aos nossos aliados europeus para encontrar e apreender seus iates, seus apartamentos de luxo, seus jatos particulares e todos os seus ganhos ilícitos para garantir que eles compartilhem a dor da guerra de Putin.

Estes, aliás, são iates gigantes. Alguns deles apareceram em seus jornais. Quero dizer, alguns deles são – acho que li que um tinha mais de 400 pés de comprimento. Quero dizer, é – isso vale centenas de milhões de dólares.

A decisão de hoje não sairá sem custo aqui dentro de casa. A guerra de Putin já está prejudicando as famílias americanas que pagam o preço nas bombas de gasolina.

Desde que Putin começou sua escalada militar nas fronteiras ucranianas, desde então, o preço da gasolina nos postos nos Estados Unidos subiu 75 centavos. E com essa ação, vai subir ainda mais.

Farei tudo o que puder para minimizar o aumento de preços de Putin aqui em casa. Em coordenação com nossos parceiros, já anunciamos que estamos liberando 60 milhões de barris de petróleo de nossas reservas conjuntas de petróleo. Metade disso – 30 bilhões – milhões – desculpem – vêm dos Estados Unidos.

E estamos tomando medidas para garantir o fornecimento confiável de energia global.

E também continuaremos trabalhando com todas as ferramentas à nossa disposição para proteger as famílias e empresas americanas.

Agora, deixem-me dizer isto. Às empresas de petróleo e gás e às empresas financeiras que as apoiam: entendemos que a guerra de Putin contra o povo da Ucrânia está causando o aumento dos preços. Nós entendemos isso. Isso é evidente. Mas, não é desculpa para exercer aumentos excessivos de preços ou lucros excessivos ou qualquer tipo de esforço para explorar essa situação ou os consumidores americanos.

A agressão da Rússia está custando a todos nós, e não é hora de especulação ou manipulação de preços.

Quero deixar claro o que não vamos tolerar, mas também quero reconhecer as empresas das indústrias de petróleo e gás que estão saindo da Rússia e se juntando a outras empresas que estão liderando pelo exemplo.

Este é um momento em que temos que fazer nossa parte e ter certeza de que não estamos tirando proveito – não estamos tirando proveito.

Olhem, deixem-me ser claro sobre dois outros pontos. Em primeiro lugar, simplesmente não é verdade que meu governo ou minhas políticas estão retendo a produção doméstica de energia. Isso simplesmente não é verdade.

Mesmo em meio à pandemia, as empresas nos Estados Unidos bombearam mais petróleo durante meu primeiro ano no cargo de Presidente do que durante o primeiro ano do meu antecessor.

Estamos nos aproximando de níveis recordes de produção de petróleo e gás nos Estados Unidos e estamos a caminho de estabelecer um recorde de produção de petróleo no próximo ano.

Nos Estados Unidos, 90% da produção de petróleo em terra ocorre em terras que não são de propriedade do governo federal. E dos 10% restantes que ocorrem em terras federais, a indústria de petróleo e gás tem milhões de acres arrendados. Eles têm 9.000 licenças para perfurar agora onshore. Eles podem estar perfurando agora, ontem, na semana passada, no ano passado. Eles têm 9.000 licenças já aprovadas para perfurar onshore.

Então deixem-me ser claro — deixem-me ser claro: eles não os estão usando para produção agora. Essa é uma decisão deles. Estes são os fatos. Devemos ser honestos sobre os fatos.

Em segundo lugar, esta crise é um lembrete gritante: para proteger nossa economia a longo prazo, precisamos nos tornar independentes de energia.

Eu tive várias conversas nos últimos três meses com nossos amigos europeus sobre como eles têm de se livrar da Rússia – do petróleo russo. Simplesmente não é – simplesmente não é sustentável.

Isso deve nos motivar a acelerar a transição para energias limpas. Esta é uma perspectiva, como eu disse, que nossos aliados europeus compartilham e o – um futuro em que juntos podemos alcançar maior independência.

Afrouxar as regulamentações ambientais ou reduzir o investimento em energia limpa não vai – deixem-me explicar – não vai – não vai baixar os preços da energia para as famílias. Mas transformar nossa economia para que ela funcione com veículos elétricos movidos a energia limpa com créditos fiscais para ajudar as famílias americanas a passar o inverno em suas casas e usar menos energia, isso ajudará – isso ajudará.

E se pudermos – se fizermos o que pudermos, isso significará que ninguém terá que se preocupar com o preço da gasolina no futuro.

Isso significa que tiranos como Putin não poderão usar combustíveis fósseis como armas contra outras nações.

E fará dos Estados Unidos um líder mundial na fabricação e exportação de tecnologias de energia limpa do futuro para países de todo o mundo.

Este é o objetivo no qual devemos focar.

Nas últimas duas semanas, o povo ucraniano inspirou o mundo – e digo isso no sentido literal. Eles inspiraram o mundo com sua bravura, seu patriotismo, sua determinação desafiadora de viver livre.

A guerra de Putin – a guerra de Putin causou enorme sofrimento e perdas de vida desnecessárias de mulheres, de crianças, de todos na Ucrânia – tanto de ucranianos quanto, devo acrescentar, russos.

Líderes ucranianos, assim como líderes de todo o mundo, pediram repetidamente por cessar-fogo, ajuda humanitária, diplomacia verdadeira. Mas Putin parece determinado a continuar nesse caminho assassino, não importa o custo.

Putin agora está mirando cidades e tem mirado cidades e civis – escolas, hospitais, prédios de apartamentos.

Na semana passada, ele atacou a maior usina nuclear da Europa, com um aparente desrespeito ao potencial de desencadear um colapso nuclear.

Ele já transformou 2 milhões de ucranianos em refugiados.

A Rússia pode continuar avançando a um preço terrível, mas isso já está claro: Putin nunca vencerá na Ucrânia.

Putin pode tomar uma cidade, mas nunca poderá controlar o país. E se não respondermos ao ataque de Putin à paz e à estabilidade globais hoje, o custo da liberdade e do povo americano será ainda maior amanhã.

Então, continuaremos a apoiar o bravo povo ucraniano enquanto lutam por seu país. E peço ao Congresso que aprove o pacote de assistência à Ucrânia de US$ 12 bilhões que pedi a eles recentemente.

O povo ucraniano está demonstrando por sua coragem física que não está prestes a deixar Putin pegar o que ele quer. Isso está claro. Eles defenderão a liberdade, a democracia, suas vidas.

E continuaremos fornecendo assistência de segurança, assistência econômica e assistência humanitária. Vamos apoiá-los contra a tirania, a opressão, os atos violentos de subjugação.

Pessoas em todos os lugares – e acho que talvez isso até surpreenda alguns de vocês – pessoas em todos os lugares estão defendendo a liberdade. E quando a história desta guerra for escrita, a guerra de Putin contra a Ucrânia terá deixado a Rússia mais fraca e o resto do mundo mais forte.

Que Deus abençoe todos esses heróis da Ucrânia. E agora estou indo para o Texas. Muito, muito obrigado.

(Vários repórteres falando ao mesmo tempo)

Eu sei que há muitas per—

P    Sr. Presidente, [os Estados Unidos] vão cortar o comércio com a Rússia? O senhor vai cortar o comércio com a Rússia?

O PRESIDENTE: Eu sei – eu sei que há muitas perguntas, mas antes há muito a ser esclarecido. E eu vou esperar até que tenhamos mais informações. Obrigado. Agradecido.

11:37 A.M. EST


Veja o conteúdo original: https://www.whitehouse.gov/briefing-room/speeches-remarks/2022/03/08/remarks-by-president-biden-announcing-u-s-ban-on-imports-of-russian-oil-liquefied-natural-gas-and-coal/

Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.

U.S. Department of State

The Lessons of 1989: Freedom and Our Future