An official website of the United States government Here's how you know

Official websites use .gov

A .gov website belongs to an official government organization in the United States.

Secure .gov websites use HTTPS

A lock ( ) or https:// means you’ve safely connected to the .gov website. Share sensitive information only on official, secure websites.

Departamento de Estado dos E.U.
27 de abril de 2021
Gravado em 8 de abril de 2021
Washington, D.C

Sra. Kenewendo: Muito bom dia, senhor Secretário. Estamos muito satisfeitos por estar consigo esta tarde, no nosso caso, e estou acompanhada por vários antigos estudantes da YALI, a Iniciativa de Jovens Líderes Africanos. E todos estão ansiosos para conversar consigo sobre a melhor forma de fortalecer as relações E.U.-África e como podemos garantir que nós, como jovens em África e antigos estudantes da YALI, possamos continuar a nos envolver consigo no fortalecimento dessas relações. E estamos satisfeitos novamente, antigos estudantes, colegas antigos estudantes, de nos juntarmos ao Secretário de Estado, Sr. Antony “Tony” Blinken para nos envolvermos ainda mais, e chamámos o evento de hoje de “10 Perguntas com Tony” e em homenagem ao décimo aniversário da YALI. Esperamos muito ouvi-lo, Sr. Secretário, e estou muito ansiosa por todas as perguntas que os antigos estudantes farão. Portanto, mais uma vez, muito boas-vindas a si, Sr. Secretário.

Secretário Blinken: Bem, olá. Muito obrigado pelas calorosas boas-vindas, e é maravilhoso comemorar o 10º aniversário. Acho que se este fosse o 20º aniversário, seriam “20 perguntas”, mas começaremos com 10 desta vez e talvez tenha a oportunidade de voltar noutra década. Mas conheci muito bem o programa YALI quando servi como Subsecretário de Estado do Presidente Obama e a minha esposa, Evan Ryan, supervisionou o Mandela Washington Fellowship, entre outras coisas. Ela era a Secretária de Estado Adjunta para assuntos educacionais e culturais, responsável por todos os nossos programas de intercâmbio, e isto estava bem no núcleo do que ela fazia. Então a nossa família está basicamente repleta de fãs desta iniciativa.

Mas mesmo para alguém como eu, que sabe pelo menos um pouco sobre a YALI, devo dizer que é notável ver o seu impacto depois de uma década: mais de 24.000 antigos estudantes entre o programa Mandela e os centros de liderança regionais. Embora o programa tenha crescido, a ideia central é a mesma desde o início. Um continente de 1,3 bilhão de pessoas, idade média de 19 anos – a melhor maneira de expandir oportunidades, desenvolver economias e promover os direitos humanos é investir nos jovens líderes de África. Esse é o poder da ideia.

O trabalho que todos vocês fazem é uma prova disso, inclusive durante o COVID-19, e é por isso que, infelizmente, estamos reunidos virtualmente hoje – e espero, espero no futuro, por oportunidades de nos encontrarmos pessoalmente.

A pandemia destacou três pontos que acho que vão ao cerne da razão pela qual este programa é tão importante. A primeira é que as comunidades mais afetadas pela pandemia são aquelas que já eram mal servidas e marginalizadas. Isso é verdade aqui na América e nos vossos países. Quer você trabalhe para melhorar a saúde de meninas adolescentes no Gana como o Maxwell faz, empoderando mulheres e meninas na República Democrática do Congo como o Passy faz, expandindo oportunidades para crianças em assentamentos informais do Quénia como o Billian faz, você viu essa desigualdade e impacto devastador de perto.

O segundo ponto é que a melhor maneira de preparar as comunidades para desafios massivos como a pandemia é construir resiliência, expandir oportunidades, fortalecer as vozes locais de líderes em ascensão antes que a crise chegue e garantir que as inovações em tecnologia e outras ferramentas vitais atendam às necessidades dessas mesmas comunidades, não apenas os ricos e bem relacionados.

Os estudantes da YALI estão na vanguarda deste esforço. Pessoas como Mary Mwangi, que desenvolveu uma aplicação que permite que os passageiros de tuk-tuk reservem uma viagem e paguem online antecipadamente para que possam evitar as longas filas e evitar a troca de dinheiro manualmente, eliminando os principais vetores da propagação do vírus. Antigos estudantes como Moussa Kondo, cujo Laboratório de Responsabilidade de ONGs no Mali está a combater a desinformação com ataques diários que desmascaram os mitos populares sobre o vírus.

E isso leva-me ao meu último ponto. A pandemia deixou claro como os nossos destinos estão realmente ligados uns aos outros. Seja lutando contra a COVID-19, enfrentando a crise climática, construindo uma economia global sustentável e inclusiva ou lidando com qualquer um dos outros desafios que enfrentamos hoje, estamos todos juntos nisto. Portanto, a premência dos líderes da YALI nunca foi tão urgente, e é por isso que estou realmente ansioso para ouvir de todos vós e, particularmente, para saber como podemos tornar este programa ainda mais forte.

Então, para esse fim, deixe-me começar fazendo eu a primeira pergunta. Responderei a algumas perguntas, mas queria fazer a primeira. E minha primeira pergunta é esta: no momento em que a YALI entra na sua segunda década, o que mais a América pode fazer para capacitar a nova geração de líderes de África? Como o programa deve evoluir para enfrentar os desafios e aproveitar as oportunidades que todos vocês estão a ver hoje?

Então, por que não começamos com isso, e é consigo, Bogolo.

Sra. Kenewendo: Está bem. Muito obrigada, Senhor Secretário, e obrigada pelas calorosas, calorosas boas-vindas. É muito sensato que o senhor dê o pontapé inicial, porque temos muitas perguntas e todos estão muito animados para dirigir-lhe as suas perguntas. Mas deixe-me pedir a um colega meu, o Sr. Maxwell, no Gana, que responda à primeira pergunta. Maxwell?

Sr. Kumbeni: Está bem. Muito obrigado, Sr. Secretário, por uma pergunta tão instigante. O meu nome é Maxwell Kumbeni. Sou bolseiro do Mandela Washington de 2018. Fiz Administração Pública na Universidade de Wisconsin em Madison, depois fui para o Departamento de Saúde de Cincinnati para fazer as minhas seis semanas de experiência de desenvolvimento profissional.

Agora, respondendo à pergunta, acho que a YALI é a melhor coisa que já aconteceu a esta geração de jovens em África. É incrível se você olhar para o tipo de enorme empoderamento económico e grandes líderes que surgiram desse programa apenas num período de 10 anos, e as perspetivas são ainda maiores quando você contempla isso.

E então, para mim, acho que o melhor ou o primeiro passo para os E.U. apoiarem melhor esta próxima geração de participantes YALI é garantir a existência contínua dos três braços do programa YALI – ou seja, o Mandela Washington Fellowship, o YALI Online e, em seguida, os Centros Regionais de Treinamento de Liderança. Isso garantiria que continuemos tendo acesso a conexões e recursos com os quais construir os nossos negócios e, em seguida, as nossas comunidades.

Em segundo lugar, embora haja algum nível de integração entre os três ramos dos programas YALI, esse vínculo forte ou coesão não parece existir. Portanto, é necessário criar programas que garantam que esses diferentes ramos trabalhem juntos para garantir que exista coesão e que a unidade inspire mais coisas a acontecer.

E também acho que se o número de vagas para a experiência de desenvolvimento profissional aumentar para pelo menos 25% dos bolseiros recrutados por um ano, isso ajudaria muito a inspirar mais bolseiros. Isto ocorre porque este programa realmente expõe os bolseiros ao ambiente de trabalho real dos E.U. e dá-nos a capacidade de vir e começar os nossos próprios negócios, ou melhor ainda, construir sobre negócios que existiam antes de entrarmos no programa. E para o futuro da YALI, acho que se o financiamento puder ser garantido pelas próximas décadas, a YALI acabará por se tornar o maior órgão económico e de tomada de decisões no continente africano e talvez além. Teremos membros YALI liderando a maioria das organizações e sendo os tomadores de decisão críticos neste continente, e eu acho que se você olhar para essas coisas, a YALI tem uma oportunidade de se tornar uma força económica e, em seguida, um formulador de políticas no continente e talvez além.

Obrigado, Sr. Secretário.

Secretário Blinken: Obrigado. Essa é uma resposta incrivelmente ponderada e visionária, e eu fiquei com algumas ideias muito boas só de ouvir isso. Eu realmente agradeço por isso.

Sra. Kenewendo: Muito bem. Muito obrigado, Maxwell. Muito obrigado, Secretário. Só quero acrescentar que costumávamos ter excelentes reuniões e fortalecemos as nossas redes.

Secretário Blinken: Sim.

Sra. Kenewendo: E eu estaria ansiosa por mais reuniões porque elas realmente nos ajudam a crescer dentro do continente, entre nós mesmos.

E agora tenho certeza de que as perguntas escaldantes já estão perto dos 100 graus, e quero passar, Sr. Secretário, a todas as questões, começando com Yared na Etiópia. Yared, tem a sua pergunta pronta?

Sr. Abera: Sim, tenho. Obrigado, Sr. Secretário. O meu nome é Yared Abera. Eu sou um antigo estudante de 2017 do Centro de Liderança Regional de Nairobi, onde participei no percurso de engajamento cívico.

A minha pergunta para si, Secretário Blinken: problemas como a mudança climática precisam de cooperação global urgente. Como os Estados Unidos estão de volta ao cenário mundial, o que devemos esperar ao enfrentar os grandes e crescentes desafios da mudança climática além da adesão dos Estados Unidos ao Acordo de Paris?

Secretário Blinken: Muito obrigado, Yared. Esta é realmente talvez uma das questões mais, senão a mais de todas, mais cruciais do nosso tempo, porque a mudança climática é um desafio existencial para todos nós. E, relativamente ao seu ponto, o Presidente voltou a Paris imediatamente. Ele indicou um dos meus mais ilustres antecessores, John Kerry, para liderar os nossos esforços internacionais sobre mudança climática. E como você sabe, convocamos uma cimeira do clima em Washington, que é um evento importante em termos de como chegar a Glasgow e à reunião da COP 26 no final do ano. E este ano é tão importante em termos de realmente trabalhar para aumentar as ambições dos países ao redor do mundo em termos do que eles farão em relação às mudanças climáticas, estabelecendo metas ainda mais ambiciosas, olhando como nós financiamos isto, transformando o desafio das mudanças climáticas numa oportunidade com tecnologia verde e bons novos empregos. E tudo isso, acho que realmente o ponto de partida foi a reunião do Dia da Terra em 22 de abril que o presidente Biden organizou, e vamos – estamos a usar isso realmente como um ponto de partida para ajudar a garantir que o COP 26 em Glasgow no final do ano seja um grande sucesso.

A última coisa que direi sobre isto – este é realmente um ano crucial numa década crucial. As decisões e as ações que os países tomarem agora e que tomarem entre agora e 2030 vão realmente determinar se teremos sucesso ou não em cumprir as metas ambiciosas que muitos de nós definimos para 2050. Não podemos esperar até 2040 para começar a agir. Tem de acontecer agora, e toda a ação deste ano, esperamos, levar-nos-á a esse começo muito, muito importante.

Bogolo, é consigo.

Sra. Kenewendo: Muito bem. Obrigada. Obrigada, Sr. Secretário. Obrigada, Yared.

A nossa próxima pergunta, senhor Secretário, vem da África do Sul e é da Melene. Melene, pode …

Sra. Rossouw: Muito obrigada, Bogolo. Sim, senhora. Obrigada, Secretário Blinken. O meu nome é Melene Rossouw e sou bolseira do Mandela Washington de 2019. Participei do percurso de engajamento cívico na delegação presidencial da Universidade da Virgínia.

A minha pergunta para si, senhor: uma das maiores ameaças ao futuro de África é a desigualdade de género. Negar a 52 por cento da população africana o direito à plena participação e igualdade de oportunidades afeta a democracia, a segurança, a governação, os direitos humanos e a economia. Que ações o governo dos Estados Unidos tomará para promover a igualdade de género não apenas nos Estados Unidos, mas também em África, que registou as maiores desigualdades do mundo? Obrigada.

Secretário Blinken: Obrigado por uma pergunta muito, muito importante. E devo dizer-lhe que, desde o início, o governo Biden-Harris vê a equidade e igualdade de género não apenas como um imperativo moral e de direitos humanos, que é, mas também como um imperativo estratégico porque é vital para reduzir a pobreza, promover o crescimento económico e fortalecimento da democracia. A 8 de março, Dia Internacional da Mulher, deve ter notado que o presidente Biden emitiu uma ordem executiva sobre o estabelecimento de um Conselho de Política de Género da Casa Branca. Isso, por si só, é um forte sinal do compromisso que ele tem e de que precisamos realmente revitalizar nosso trabalho em prol da igualdade de género não apenas nos Estados Unidos, mas, como refere, globalmente. O trabalho do conselho é promover a igualdade de género através das atividades do Governo dos Estados Unidos, de todas as suas agências e departamentos e, internacionalmente, o que pretende fazer é promover a igualdade de género através da nossa diplomacia – algo em que trabalho todos os dias; pelo desenvolvimento e do trabalho das nossas agências de desenvolvimento como a USAID; através do comércio e até mesmo da defesa.

Reconhecemos que a liderança das mulheres é fundamental para a paz e a prosperidade duradouras na África Subsaariana e, portanto, o nosso apoio à igualdade de género estende-se de facto a o continente, e uma das maneiras de fazer isso é através de esforços diplomáticos para reduzir as barreiras à participação das mulheres na vida económica e política, incluindo a abordagem das barreiras legais, regulatórias e culturais que contém as mulheres.

Temos um gabinete aqui no Departamento de Estado que eu acho que provavelmente conhece. É o Gabinete dos Assuntos Globais das Mulheres, uma iniciativa muito importante em que estamos ativamente engajados no empoderamento económico das mulheres. Temos programas em 25 países da África Subsaariana. E em todo o continente, acho que há um forte reconhecimento de que as mulheres e especialistas no assunto realmente representam a espinha dorsal das economias africanas de muitas formas, e o crescimento económico, que é tão vital para todos, o crescimento que elas geram leva a uma segurança a longo prazo, estabilidade e prosperidade muito maiores nas suas comunidades individuais, mas também, de forma mais ampla, nos próprios países.

Sabe disso muito bem: mulheres e meninas são frequentemente excluídas da tomada de decisões, e isso por si só é uma das barreiras mais importantes que acho que temos de trabalhar para destruir nos nossos programas que são bilaterais com países individuais, mas também multilateralmente através de diferentes organizações. Estamos a trabalhar para fortalecer a participação plena, efetiva e significativa na mitigação de conflitos, nos esforços de construção da paz, na segurança e na aplicação da lei, em todos os níveis de política e governação.

E, finalmente, há a responsabilidade que tem de acompanhar isto porque é importante que os governos sejam responsabilizados por violações e abusos de direitos humanos. Basicamente, temos de acabar com a impunidade para os responsáveis ​​por tais atos online, offline, para lidar com a violência de género – algo em que o Presidente Biden acredita fortemente. Deve saber que, eu acho, uma das coisas de que ele mais se orgulha na sua carreira quando foi senador pelos Estados Unidos, há muitos anos, foi algo chamado Lei da Violência Contra a Mulher aqui nos Estados Unidos. E acho que se o questionasse acerca de todas as suas realizações, do que ele mais se orgulha, provavelmente seria isso. E ele também trabalhou para expandir isso a nível internacional e para fortalecer essa questão em todo o mundo, e isso inclui tudo, desde violência baseada em género, seja mutilação genital, seja casamento precoce e forçado, seja violência relacionada com conflito, violação, outras formas de violência contra a mulher. Tudo isso faz parte da nossa política. E eu sinto muito por ter prolongado essa questão, mas é realmente importante.

Também temos iniciativas de mulheres, paz e segurança em andamento em mais de 11 países da África Subsaariana. Temos programas de assistência que trabalham para promover as mulheres, a paz e os esforços de segurança, apoiando as mulheres líderes locais e prevenindo e combatendo o extremismo violento, aumentando os esforços centrados nas sobreviventes para prevenir e responder à violência de género e que trabalham para promover a liderança das mulheres, novamente na tomada de decisões – isso é tão crucial – sobre os esforços de paz e segurança. Descobrimos que, quando as mulheres estão realmente envolvidas na tomada de decisões, tomamos decisões melhores. Tão simples como isso.

Então, isto é algo de que temos muito orgulho, mas também estamos determinados a avançar nos próximos anos, e acho que você é uma prova do impacto do programa YALI com o seu próprio compromisso de empoderar outras mulheres. Então, tiro-lhe o chapéu e estamos realmente ansiosos para continuar a trabalhar juntos nisto.

Bogolo, tem a palavra.

Sra. Kenewendo: Muito obrigada, senhor Secretário, e obrigada Melene por fazer essa pergunta. A sua resposta a isso foi muito elaborada e eu particularmente aprecio isso porque acredito que se não empoderarmos as mulheres, teremos apenas 50 por cento de sucesso e produtividade.

Secretário Blinken: Sim.

Sra. Kenewendo: Então o senhor realmente abordou a questão bem. Obrigada.

Para nossa próxima pergunta, temos Passy da República Democrática do Congo. Passy, é a sua vez de fazer uma pergunta.

Sra. Mubalama: Obrigado, Senhor Secretário de Estado, pela oportunidade e privilégio de estar hoje nesta reunião. O meu nome é Passy Mubalama. Eu sou um ativista pró-democracia e direitos humanos sediada em Goma, na República Democrática do Congo. Eu sou uma antiga estudante da YALI de 2014 no curso de Liderança Cívica da Universidade de Delaware.

A RDC é um país muito rico em recursos. Como os Estados Unidos podem ajudar a garantir uma parceria económica mais justa e a combater a corrupção se esta é interna e em simultâneo externa, por parte de corporações internacionais que querem tirar proveito dos recursos do Congo? Obrigada.

Secretário Blinken: Muito obrigado, Passy. E, primeiro, não tenho certeza – é possível que até nos tenhamos conhecido porque, quando estive no governo pela última vez, fui visitar os bolseiros YALI da Universidade de Delaware. Então, eu não sei se – não me lembro se foi em 2015 ou 2016. Mas…

Sra. Mubalama: Sim, sim, 2014. Acho que nos conhecemos na Universidade de Delaware, então, é um prazer.

Secretário Blinken: Sim, isso mesmo, então é ótimo vê-la novamente, mesmo sendo a uma grande distância.

Sra. Mubalama: Sim, obrigada.

Secretário Blinken: Deixe-me apenas dizer em resposta à sua pergunta, os recursos naturais da RDC são de vital importância não apenas para a RDC, mas na verdade para o mundo, e temos uma equipa da embaixada em Kinshasa a trabalhar para fazer algo muito importante, e que é expor as redes corruptas que operam na RDC, que são uma das barreiras e desafios mais importantes para a exploração adequada desses recursos em oposição à exploração inadequada.

Uma das outras coisas que estamos a fazer é trabalhar para aumentar os laços comerciais e de investimento, inclusive através da elegibilidade restaurada da RDC de acordo com a Lei de Crescimento e Oportunidades de África dos E.U. Esse é um programa de preferência comercial muito importante que acho que pode fazer uma diferença real, especialmente com a elegibilidade renovada da RDC.

Acho que também é muito importante focar os esforços em andamento da RDC para criar um melhor clima de negócios. Isso é realmente a chave para atrair investidores, para obter o seu interesse, para obter a sua confiança. E também é de vital importância que, à medida que as pessoas, as empresas investem, o façam tendo os mais altos padrões em mente, e isso é algo em que também estamos muito focados.

Expor agentes corruptos que estão realmente a tentar explorar isso para maus fins e encorajar negócios legítimos – esses são, eu acho, os dois pilares com os quais estamos a trabalhar. E a minha expectativa é que veremos uma mudança real em nosso relacionamento com a RDC, e um progresso real. Essa é minha esperança e certamente estamos a trabalhar nisso. Obrigado pela ótima pergunta.

E Bogolo, é consigo.

Sra. Kenewendo: Muito bem. Obrigada, Sr. – obrigado, Sr. Secretário, e ótima pergunta, Passy.

E agora irei para o Quénia e recebo uma pergunta de Billian.

Sr. Ojiwa: Obrigado, senhor Secretário. Olá. O meu nome é Billian Okoth Ojiwa. Sou um bolseiro do Mandela Washington de 2018. Eu estava no curso de Liderança Cívica na Universidade de Delaware.

A minha pergunta é: Como podemos inspirar os jovens de hoje a superar sua aceitação do status quo a tornarem-se – e tornarem-se os líderes de amanhã? E como os Estados Unidos e o Quénia podem continuar a fazer parceria para fornecer aos jovens e aos jovens líderes as capacidades e recursos de que precisam para realizar a mudança que desejam ver no mundo?

Secretário Blinken: Bem, em primeiro lugar, você está a fazer isso mesmo. Você e seus colegas do programa YALI estão a fazê-lo, e isso é incrivelmente inspirador. E eu acho que ao fazer isso você também está dando um exemplo incrivelmente poderoso aos seus amigos, colegas, comunidades, e isso terá um efeito cascata que eu não acho que você possa apreciar totalmente. Eles vão – há mais jovens – pessoas ainda mais jovens hoje, inspiradas pelo que você está a fazer e pelo que fez, e como um – e eles podem ver um caminho diferente a seguir como resultado disso. E acho que isso por si só vai encorajar as pessoas a se levantarem, falarem, a se engajarem e tentarem avançar além do status quo.

Mas olhe, sabemos que para realmente se sentirem engajadas e realmente inspiradas, as pessoas precisam sentir que estão a ser ouvidas – porque falar para o vazio pode ser um exercício incrivelmente frustrante. Portanto, acho que as vozes dos jovens são essenciais para qualquer discurso político, por exemplo, sobre reformas eleitorais e constitucionais. E isso certamente é verdade na corrida às eleições de 2022 no Quénia.

Estamos a apoiar toda uma variedade de programas para tentar desenvolver a capacidade de organizações de jovens se unirem de forma construtiva para ajudar os jovens a desenvolverem resiliência contra a manipulação política e a violência, para defender uma governação e responsabilidade mais inclusivas. E a família YALI, especialmente os antigos estudantes da área de engajamento cívico como você, acho que novamente está a desempenhar um papel muito importante nisso. E a inspiração que você está a dar é, mais do que qualquer outra coisa, a força mais poderosa que temos.

E deixe-me acrescentar mais uma coisa. Já faço esse tipo de trabalho há algum tempo e sei que, mesmo com todo esforço que eu possa fazer e meus colegas façam para ter mentes abertas e novas perspetivas, quanto mais velho você fica, mais difícil é. Todos ficam um pouco estáticos nos seus caminhos, estáticos nos seus pensamentos. E o mais importante que temos é ouvir e escutar novas vozes, vozes jovens, novas perspetivas, novas ideias. Ninguém tem o monopólio das ideias, muito menos das boas ideias. E à medida que traz essas ideias para o mercado de ideias, isso criará um mercado muito mais poderoso e abundante, e acho que é assim que fazemos progresso.

Então temos – temos de ter ouvidos e mentes abertos, e tem de dar um passo à frente, e estou muito feliz que esteja a fazer isso e de facto a liderar através do exemplo.

Bogolo, é consigo.

Sra. Kenewendo: Obrigada, senhor Secretário. Antigos estudantes presentes, é para abrir os ouvidos, abrir mentes e dar um passo à frente.

Senhor Secretário, a nossa próxima pergunta vem do Pedro de Cabo Verde. Pedro?

Sr. Lopes: Olá, Secretário de Estado. Obrigado por esta oportunidade incrível. Olá também à família YALI. Estou com saudades de vocês, irmãos e irmãs. É fantástico que tenhamos tido a oportunidade de conversar e também de dar uma plataforma ao seu povo, como uma brilhante advogada, minha amiga Melene, e também a Sra. Bogolo. O meu nome é Pedro Lopes. Sou um bolseiro do Mandela Washington de 2017. Participei no curso de Empreendedorismo Empresarial na Universidade do Novo México.

Notícias falsas. Notícias falsas compartilhadas em plataformas sociais estão a contribuir para a erosão da democracia ao desinformar e polarizar o público. Como podemos proteger pequenos estados democráticos como Cabo Verde, o meu país, deste desafio? Deve haver uma regulamentação global das redes sociais, Sr. Secretário de Estado? Muito obrigado por esta oportunidade.

Secretário Blinken: Essa é uma das questões mais importantes do nosso tempo. E, como você diz com razão, temos um enorme desafio com informação falsa e desinformação, particularmente usando plataformas de redes sociais, e é uma ameaça para as democracias, e não apenas para o seu país e não apenas para outros países – para os Estados Unidos e para muitos outras democracias em todo o mundo. E nós temos isso; continuamos a ter isso todos os dias. E aqui algumas coisas são importantes.

As próprias plataformas de redes sociais obviamente têm um grande papel e responsabilidade no combate às notícias falsas, e sua capacidade de fazer isso e de fazer isso de forma eficaz é um dos aspetos mais importantes para realmente lidar com esse problema. E isso, subestimando, é um trabalho em andamento na melhor das hipóteses, mas é de vital importância que as redes sociais tomem uma posição e desempenhem um papel de liderança. E, claro, equilibrar as diferentes equidades de garantir que estamos a combater a informação falsa e a desinformação enquanto preservamos a liberdade de expressão é um dos desafios mais profundos de nosso tempo e convida a questões incrivelmente difíceis e questões realmente filosóficas, bem como práticas. Porque o fluxo livre de informações é fundamental para a democracia, e isso não é menos verdadeiro na era digital, mas também destaca que todos têm um papel a desempenhar no combate à desinformação.

Muitos de nós educados nas tradições liberais e que estudam isso, eu acho, pensavam talvez ingenuamente que – estávamos a falar sobre o mercado de ideias. John Stuart Mill, se você voltar a alguns dos primeiros pensadores sociais, acreditava que a ideia básica é colocar ideias para fora e as melhores ideias chegarão ao topo e a verdade chegará ao topo. Mas, claro, descobrimos que não é tão simples assim.

Bogolo?

Temos no Departamento de Estado muitos recursos que podem ajudá-lo a desenvolver uma estratégia de combate às notícias falsas, inclusive em Cabo Verde. Então, uma das coisas que eu acabei de fazer é encorajá-lo a se envolver, trabalhar com nossa equipa na embaixada dos E.U. na cidade da Praia e tentar aproveitar esses recursos e programação. Essa é uma maneira muito prática de avançar e que pode ser útil. Mas isso é algo que teremos de enfrentar juntos por muito tempo.

Bogolo?

Sra. Kenewendo: Muito bem. Muito obrigada, Sr. Secretário, pela sua resposta.

A nossa próxima pergunta vem do Zimbabué, por Mantate. Mantate?

Sra. Mlotshwa: Sim. Muito obrigada, Bogolo. O meu nome é Mantate Mlotshwa, é um prazer conhecê-lo, Sr. Secretário. Eu sou do Zimbabué e sou uma antiga estudante de 2018 do Centro de Liderança Regional na África do Sul, onde estava na área de Liderança Civil.

Então, como alguém que é muito apaixonada por democracia e governação, vejo que há muita violência em países como o Zimbabué, onde mantêm [inaudível] e atacam líderes da oposição e da sociedade civil – as insurgências em Moçambique, por exemplo, e o conflito étnico na Etiópia.

Portanto, a minha pergunta realmente é sobre a posição, a posição política dos Estados Unidos em relação à violência não resolvida, do passado e do presente.

Secretário Blinken: Então, isso é algo que devemos fazer e estamos atentos às questões de segurança, bem como à democracia e aos direitos humanos. E, infelizmente, o que temos visto é que está a retroceder em ambas as frentes numa série de lugares por toda a África, e devo dizer que estamos preocupados com essas tendências – tanto o aumento da insegurança quanto a diminuição, diminuindo à adesão aos padrões democráticos e direitos humanos.

Em última análise, democracias inclusivas e acessíveis são a coisa mais crucial para tirar os países dos ciclos de violência e levá-los a um caminho de paz, estabilidade e desenvolvimento. O que descobrimos com a experiência e o que a história sugere é que os países que desfrutam de governação transparente e responsável e que prestam serviços ao seu povo enfrentam menos queixas sociais e garantem que o público realmente investe na construção de um futuro mais forte, pois conseguem constatá-lo. Conseguem senti-lo.

Portanto, se a governação, se a governação democrática é capaz de fornecer efetivamente o que as pessoas precisam e dar-lhes voz no sistema, essa é, em última análise, a maneira como se lida com a violência, se evita que ela surja, em primeiro lugar, e se fortalece a democracia e direitos humanos. Portanto, estamos muito comprometidos em trabalhar com parceiros para promover a paz e a segurança em África. A curto prazo, às vezes isso parece-se com parcerias de segurança, apoio à mitigação de conflitos e defesa diplomática dos direitos humanos. Em última análise, acho que a coisa mais importante que podemos fazer é ajudar os países, sempre que possível, a fortalecer as suas instituições democráticas, a fortalecer a capacidade de gerar progresso para as pessoas – crescimento económico – e essa é a base real que precisamos estabelecer. Mas isso leva tempo. E, enquanto isso, alguns desses programas e parcerias para lidar com os desafios imediatos são os mais importantes.

Bogolo?

Sra. Kenewendo: Certo. Obrigada, Sr. Secretário. Obrigado, Mantate, por essa pergunta. É particularmente relevante agora porque esta semana, a troika da SADC também se reuniu para tratar das questões em Moçambique e todos nós estamos preocupados. Quer dizer, é animador ouvir um jovem fazer essa pergunta, senhor Secretário, porque mostra que os jovens estão cientes de que qualquer instabilidade também fecha portas a novas oportunidades de crescermos no futuro.

Secretário Blinken: Sim.

Sra. Kenewendo: Obrigada também por essa resposta.

Então, para a nossa próxima pergunta, temos a Jamila do Uganda. Jamila?

Sra. Mayanja: Sim, obrigada, Bogolo. Olá, Sr. Secretário. É um prazer conhecê-lo virtualmente. O meu nome é Jamila Mayanja e sou bolseira do Mandela Washington de 2015. Comecei a carreira de negócios e empreendedorismo no Dartmouth College.

A minha pergunta é: os programas de intercâmbio como o YALI têm sido benéficos para o governo dos E.U. como foram para os participantes individuais?

Secretário Blinken: Então, acho que o verdadeiro segredo aqui é que tiramos ainda mais proveito desses programas do que vocês, os participantes. Eu realmente acredito nisso, profundamente. Eu tenho olhado para isso com muito cuidado ao longo dos anos. E é uma coisa incrível porque se olhar para mais de 75 anos ou mais de programas de intercâmbio – e YALI é talvez um dos grandes exemplos, mas temos muitos outros programas de intercâmbio de um tipo ou de outro: académico, empresarial, baseado em capacidades, programas de visitantes, apenas.

Uma das coisas que temos sido capazes de fazer ao longo de muitos anos é identificar em cada geração o talento notável e emergente em diferentes países e fazer com que participem em um dos nossos programas. E como eu conversei com antigos estudantes de programas, seja da YALI ou qualquer outro, que puderam passar um tempo nos Estados Unidos e realmente ver em primeira mão como o nosso país é – no que está bem e no que não está – mas obtendo isso em primeira mão e encontrando-se, estabelecendo ligações e desenvolvendo relacionamentos com americanos; nove em cada dez vezes, descobri que os participantes partem com uma forte ligação com os Estados Unidos, relacionamentos que perduram por anos e até décadas. E então o que é extraordinário, e todos vocês são exemplos perfeitos disso – esses jovens que identificamos para virem participar em programas, invariavelmente passam a posições de incrível responsabilidade, liderança e inovação nos seus países de origem na governação, na educação, em ciência, nas artes, nos negócios, o que quiser.

Vi as estatísticas de alguns anos atrás, então elas estão desatualizadas. Mas naquela época, há cerca de cinco ou seis anos, quando olhei para isso pela última vez, de todos os participantes em nossos programas de intercâmbio ao longo dos anos, mais de 300 se tornaram primeiros-ministros ou presidentes dos seus países. Milhares tornaram-se líderes em negócios, artes, educação. Mais de 50 vencedores do Prémio Nobel. E ter esse tipo de ligação, ter esse tipo de vínculo com pessoas que fazem coisas maravilhosas pelas suas comunidades e os seus países, é um tremendo benefício para os Estados Unidos.

O Mandela Fellowship, só para citar um exemplo, trabalha com 26 universidades nos Estados Unidos e, através da experiência de desenvolvimento profissional, fazemos parceria com 70 organizações privadas, públicas e sem fins lucrativos para colocar bolseiros, e isso está a construir laços e relacionamentos incríveis e redes que nos beneficiam, que beneficiam os Estados Unidos de maneiras notáveis.

Os bolseiros doaram mais de 30.000 horas de serviço às comunidades anfitriãs, ao mesmo tempo que educam e abrem os olhos dessas comunidades para as perceções que promovem em casa. Portanto, não é apenas o que você faz, é o que você faz quando está nos Estados Unidos a participar nos nossos programas. E o que estamos a fazer hoje é outro bom exemplo. Acho que você está a ajudar a destacar os seus interesses, os seus objetivos, a sua visão de como pode ser a relação da América com África. E isso vai ajudar-nos aqui em Washington a tomar decisões sobre como focamos o nosso envolvimento com a própria rede YALI e com o continente em geral.

Então, veja, este é o – o verdadeiro segredo aqui é que é realmente um grande benefício para nós, é um benefício para mim, e estou muito grato pela sua participação, pela participação de todos os companheiros, porque é realmente, para mim, uma das coisas mais produtivas que fazemos e é sem dúvida o melhor retorno do investimento que fazemos nesses programas. Então obrigado.

Bogolo?

Sra. Kenewendo: Muito bem. Muito obrigada, Sr. Secretário. O senhor é claramente um grande fã desta Mandela Fellowship e de todos os nossos programas YALI, e nós apreciamos isso.

A próxima pergunta vem de Wezam, da Nigéria. Wezam?

Sr. Obanor: Obrigado, Bogolo. Boa tarde, senhor Secretário de Estado. Meu nome é Wezam. Sou bolseiro do Mandela Washington 2019, curso de Negócios e Empreendedorismo da Northwestern University.

A minha pergunta é a seguinte: Considerando o crescimento da influência da China em África, os E.U. estarão a competir com a China em África, especialmente no que se refere ao crescimento de África nos próximos anos?

Secretário Blinken: Obrigado, Wezam. Essa é, mais uma vez, uma questão muito importante. E deixe-me dizer algumas coisas sobre isso.

Em primeiro lugar, África, os países de África irão e devem envolver-se com uma ampla gama de parceiros, seja China ou França, Turquia ou Brasil, Estados Unidos ou muitos outros. E minha esperança é que os países africanos e as comunidades africanas abordem essas relações com os olhos bem abertos. A China é um competidor global e a competição é uma coisa boa, desde que seja basicamente justa e o campo de jogo seja nivelado. Mas, à medida que olhamos para isso, temos diferentes abordagens de governação; temos diferentes abordagens para os negócios; temos diferentes abordagens para a segurança. E os fundamentos às vezes das nossas parcerias são muito diferentes.

Acreditamos, os Estados Unidos acreditam que uma ordem livre e aberta baseada em regras que defendemos, às vezes de maneira imperfeita, mas que é nossa – isso é o que defendemos, é um bom modelo para que as pessoas em todo o mundo realizem todo o seu potencial. Tem sido assim para nós, e acreditamos que isso é verdade – não apenas nos Estados Unidos.

Em África e em todo o mundo, continuaremos a, por exemplo, promover o empreendedorismo, práticas comerciais justas, padrões ambientais e sociais sólidos para assistência ao desenvolvimento. Porque o que realmente precisamos ver, onde quer que seja, é uma corrida até o topo, não uma corrida até o fundo – para ter certeza de que, conforme nos envolvemos nos negócios, quando nos envolvemos no desenvolvimento, quando nos envolvemos na assistência, nós  também estamos a prestar muita atenção às preocupações ambientais, aos direitos dos trabalhadores, à transparência e a outras coisas vitais que contribuem para o crescimento e oportunidades sustentáveis e equitativos.

Então, o que vamos fazer pelo menos é apoiar a boa governação e instituições democráticas fortes, transparência, com nossa ajuda. As pessoas saberão para onde vai, o que oferece, quem se beneficia e estarão realmente engajadas na sua implementação. A transparência é vital. Isso é algo que apoiamos fortemente. Combater a corrupção para garantir que quando os países investem, quando as empresas se envolvem, isso está livre de corrupção, que é uma das coisas mais corrosivas para a democracia que se possa imaginar. E vamos falar abertamente sobre direitos humanos.

Em última análise, quando olhamos para isso, o governo deve ser de, por e para as pessoas e servir às necessidades das pessoas, e essas são todas grandes diferenças – pelo menos agora – entre a maneira como olhamos para isso e a maneira como as autoridades em Pequim olham para isso.

Portanto, é um longo caminho para dizer que não estamos a pedir a ninguém que escolha entre os Estados Unidos ou a China, mas eu o encorajaria a fazer essas perguntas difíceis, cavar além da superfície, exigir transparência e fazer escolhas informadas sobre o que é o melhor para vós e para os vossos países. Se alguém chega e diz: “Vou investir muito dinheiro no seu país, mas é um empréstimo, então isso significa que você tem uma dívida e terá que pagá-la algum dia, e se essa dívida é muito grande e você não puder pagá-la, então vou ficar com o ativo em questão”, bem, você deve olhar isso com cuidado. Porque assumir muitas dívidas torna-se um fardo insustentável para os países, e eles enfrentam uma escolha incrivelmente difícil entre ter de pagar os empréstimos e provavelmente pagar de forma que tire recursos das pessoas, ou entregar o que quer que seja o investimento para quem quer que seja fez o investimento e ficou com a dívida. Você deve estar atento para saber se, quando outros países chegam para construir um grande projeto de infraestrutura, eles estão a trazer os seus próprios trabalhadores com eles ou estão a dar empregos a pessoas no país onde estão a fazer investimentos? Quais são os padrões ambientais? Quais são os padrões para os trabalhadores e os seus direitos, que trabalham nesses projetos? Existe transparência sobre para onde o dinheiro está a ir? Todas essas coisas são coisas importantes para se aprofundar, e qualquer pessoa que esteja fazendo um investimento deve manter um padrão muito alto.

Então, da nossa parte, continuaremos focados em África. Acreditamos em África. Acreditamos no potencial extraordinário. Acreditamos que é necessário porque quando existe uma proporção tão grande da população mundial em África, e isso só está a aumentar, todos têm uma participação no crescimento e sucesso de África, porque isso vai contribuir para o mundo, não apenas para África. O seu sucesso é o nosso sucesso e queremos investir nele, mas da forma certa.

Bogolo?

Sra. Kenewendo: Muito bem. Quase chegamos, senhor secretário, a 10 perguntas sem essa pergunta. Mas eu ficaria surpresa se não tivesse surgido, porque antes do COVID, todos falavam sobre as relações E.U.-China e como África é afetada, e agora com o COVID é tudo sobre a diplomacia do COVID e o que vamos fazer daqui para frente.

Então, quero agradecer a Edwige por trazer essa questão, uma questão muito pertinente. E para encerrar as nossas “10 perguntas com Tony”, vamos – desculpe, então para encerrar será Edwige, da Costa do Marfim.

Sra. Dro: Obrigada, Bogolo. Boa tarde, senhor Secretário de Estado. O meu nome é Edwige Dro. Eu sou uma bolseira Mandela Washington 2019. Fiz o curso de Engajamento Cívico na Universidade de Delaware. Sou uma escritora e ativista literária que sempre foi fascinada pela forma como os artistas, desde a Renascença do Harlem a Hollywood, moldaram as narrativas dos Estados Unidos.

Então, que colaboração podemos esperar sob a administração Biden entre escritores e artistas africanos e os seus colegas americanos?

Secretário Blinken: Bem, obrigado. Esta é uma pergunta maravilhosa para terminar, porque isso também é algo próximo e caro ao meu coração.

Eu tenho visto por muitos, muitos anos e tenho visto de perto o incrível poder da diplomacia cultural e do intercâmbio. Uma das maiores exportações que os Estados Unidos têm é a nossa diplomacia cultural, mas também é uma das maiores importações que temos. E colocar cidadãos dos E.U. de uma ampla gama de origens – escritores, artistas, empresários, estudantes – em contato com seus colegas em África cria um caldeirão incrivelmente poderoso e fértil para a expressão cultural, inovação cultural, ideias culturais. E eu acho que escritores e artistas como você desempenham um papel muito importante no avanço através das artes, através da cultura, através desses laços que ligam as pessoas das formas mais profundas possíveis, que transcendem a política e que transcendem algumas das questões, as questões geopolíticas sobre as quais falámos – isso é tão vital para o avanço da democracia e da mudança social. E essa troca aberta e dinâmica de ideias, particularmente por meio da expressão cultural, mais do que qualquer outra coisa, acho que une e liga as pessoas de formas que às vezes são resilientes a outros desafios que enfrentamos nas relações entre os países.

O programa de escritores do Iowa – e eu creio que é algo do qual você participará; é um programa notável, então parabéns – e One Beat and Arts Envoys, temos uma variedade de programas que nós, do Departamento de Estado, estamos a trabalhar para apoiar e facilitar. E, pelo que vi, alguns dos meus – alguns dos momentos que ficarão comigo e que mais ressoarão são os compromissos com participantes de programas de intercâmbio cultural para ver o trabalho que estão a fazer, a expressão que dão a essas emoções humanas que compartilhamos, não importa de onde viemos, não importa quais sejam nossas origens. É difícil pensar em algo que ligue mais as pessoas num momento em que essas ligações, creio eu, são mais importantes do que nunca.

Então, obrigado pelo que está a fazer. Obrigado pelo seu próprio envolvimento e boa sorte com o programa de escritores. É notável. E estou ansioso para lê-lo no futuro.

Bogolo?

Sra. Kenewendo: Tudo bem, ótimo. Muito obrigada, Edwige, por essa pergunta, e muito obrigada, Sr. Secretário. Assim finalizamos as nossas “10 perguntas com Tony” e, Sr. Secretário, gostaria apenas de destacar que várias vezes me pediram a opinião em diferentes fóruns sobre como os Estados Unidos podem se reengajar com a África e como podemos renovar as nossas relações. E muitas vezes digo que os jovens que ouço, estão prontos, estão dispostos, e o envolvimento deve começar aí, mas também deve estar à altura das ambições que o continente tem – as ambições de comércio e investimento, como foi demonstrado pelas perguntas que recebemos; ambições em torno do empoderamento de mulheres jovens e mulheres em geral; ambições em torno da preparação da liderança e de realmente assumir o nosso lugar à mesa; ambições nas artes e cultura, na democracia, na paz e estabilidade.

Todas estas são áreas pelas quais somos muito apaixonados e traçamos caminhos sobre como queremos nos envolver, e estamos prontos para parceiros que desejam seguir em frente connosco. E o que também estamos a assistir a partir do engajamento de hoje, Sr. Secretário, é que todos aqui dizem que não são líderes de amanhã, mas são líderes de hoje, porque todos os dias trabalham muito para garantir que tenham um futuro e algo para legar à próxima geração. Portanto, estou muito satisfeita que, no mais alto nível no seu gabinete, o senhor tenha optado por se envolver connosco hoje. O senhor escolheu – mesmo no meio de uma pandemia e lidando com uma crise nos E.U., escolheu envolver-se com jovens líderes africanos. E, como o senhor disse, precisamos dar um passo à frente e acredito que todos estão prontos para enfrentar esse desafio.

E eu quero apenas pedir-lhe, dar-lhe este momento, caso tenha quaisquer palavras de despedida para nós, quaisquer últimas palavras, para levarmos para casa, algo que deseje que recordemos.

Secretário Blinken: Bem, Bogolo, é incrivelmente difícil seguir os seus comentários extraordinariamente eloquentes, porque você exprime-os de forma tão poderosa e tão bem, e eu subscrevo tudo o que acabou de dizer.

Deixe-me apenas dizer que, para mim, esta conversa, apesar do facto de ser virtual e, infelizmente, um pouco curta, é incrivelmente energizante e incrivelmente positiva. Gosto muito de ouvi-la e ser inspirado por si. E Bogolo, em relação ao que diz, esta é – e eu acho que esta é a demonstração perfeita de que não estamos a falar apenas sobre os líderes de amanhã, estamos a falar sobre os líderes de hoje. E o que cada um de vós está a fazer nas vossas vidas, com as suas vidas é liderança e vai ser inspirador, como eu disse há pouco, para as pessoas de maneiras que você nem pode imaginar. E é esse tipo de exemplo e esse tipo de inspiração e esse tipo de envolvimento que é o significado de progresso.

Então, eu só quero agradecer-vos por algumas das – ambas as perguntas importantes, algumas boas ideias que ouvi hoje sobre como podemos construir o – tornar este programa ainda mais forte daqui para frente, mas principalmente para agradecer pelo vosso reforço, pelo vosso engajamento, pelo exemplo que estão a estabelecer, pelo trabalho que estão a fazer. Isso dá-me uma enorme confiança no futuro. E eu sei que há tantas coisas difíceis com as quais o mundo está a lidar, com as quais todos nós estamos a lidar, que muitos de vocês estão a enfrentar nas vossas próprias vidas. Mas parem um momento para refletir sobre o facto de que o que vocês estão a fazer está a ter um impacto e que, mais do que qualquer outra coisa, é a confiança para o futuro. Então, obrigado.

Sra. Kenewendo: Obrigado, senhor Secretário. Deixe-me concluir e encerrar esta sessão apresentando-me de facto. Bogolo Kenewendo, do Botswana, e sou antiga estudante de 2011 do Fórum de Jovens Mulheres Líderes da Primeira Dama. Então, tenho ouvido todos aqui; acho que sou mais velha do que todos eles em termos de participação na YALI. Portanto, foi um prazer absoluto recebê-lo esta tarde, esta manhã do seu tempo, e acredito que falo por todos os antigos estudantes aqui hoje e que se juntaram a nós online, quando digo obrigada e esperamos ter mais envolvimento consigo, com o seu departamento e com os E.U. em geral sobre como podemos continuar a fortalecer, renovar e revigorar as nossas relações entre os E.U. e África.

Secretário Blinken: Obrigado. Obrigado a todos.


Veja o conteúdo original: https://www.state.gov/secretary-antony-j-blinken-virtual-discussion-with-alumni-of-the-young-african-leaders-initiative-yali/

Disclaimer: Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.

U.S. Department of State

The Lessons of 1989: Freedom and Our Future