Departamento de Estado dos Estados Unidos
Gabinete do Porta-Voz
Pronunciamento
17 de fevereiro de 2022

Sede da ONU
Cidade de Nova York, Nova York

SECRETÁRIO DE ESTADO BLINKEN: Sr. Presidente, este conselho foi convocado hoje para discutir a implementação dos Acordos de Minsk, uma meta que todos nós compartilhamos, apesar das violações persistentes da Rússia. Esses acordos, negociados em 2014 e 2015 e assinados pela Rússia, continuam sendo a base do processo de paz para resolver o conflito no leste da Ucrânia.

A principal responsabilidade deste conselho – a própria razão de sua criação – é a preservação da paz e da segurança. No encontro de hoje, a ameaça mais imediata à paz e à segurança é a agressão da Rússia que paira sobre a Ucrânia.

As apostas vão muito além da Ucrânia. Este é um momento de perigo para a vida e a segurança de milhões de pessoas, assim como para a fundação da Carta da Organização das Nações Unidas (ONU) e da ordem internacional baseada em regras que preserva a estabilidade em todo o mundo. Esta crise afeta diretamente todos os membros deste conselho e todos os países do mundo.

Porque os princípios básicos que sustentam a paz e a segurança – princípios que foram consagrados após duas guerras mundiais e uma Guerra Fria – estão ameaçados. O princípio de que um país não pode alterar as fronteiras de outro pela força. O princípio de que um país não pode ditar as escolhas ou políticas de outro, ou com quem se associará. O princípio da soberania nacional.

Este é exatamente o tipo de crise que a ONU – e especificamente este Conselho de Segurança – foram criados para prevenir.

Devemos abordar o que a Rússia está fazendo agora com a Ucrânia.

Nos últimos meses, sem provocação ou justificativa, a Rússia posicionou mais de 150.000 soldados ao redor das fronteiras da Ucrânia, na Rússia, a Bielorrússia e a Crimeia ocupada. A Rússia diz que está diminuindo essas forças. Não vemos isso acontecendo nesses locais. Nossas informações indicam claramente que essas forças – incluindo tropas terrestres, aeronaves, navios – estão se preparando para iniciar um ataque contra a Ucrânia nos próximos dias.

Não sabemos exatamente como as coisas vão se desenrolar, mas aqui está o que o mundo pode esperar ver se desenrolar. Na verdade, está se desenrolando agora, hoje, enquanto a Rússia caminha em direção à guerra e reedita a ameaça de ação militar.

Primeiro, a Rússia planeja fabricar um pretexto para seu ataque. Este poderia ser um evento violento que a Rússia aproveitaria para culpar a Ucrânia ou uma acusação ultrajante que a Rússia irá lançar contra o governo ucraniano. Não sabemos exatamente como isso será feito. Pode ser um bombardeio “terrorista” fabricado dentro da Rússia, a “descoberta” inventada de uma vala comum, um ataque teatral de drones contra civis ou um ataque falso – ou até mesmo real – usando armas químicas. A Rússia pode descrever este evento como uma limpeza étnica ou um genocídio, zombando de um conceito que nós, aqui nesta casa, não recebemos bem, nem eu receberei bem com base na minha história familiar.

Nos últimos dias, a mídia russa já começou a espalhar alguns desses falsos alarmes e alegações para maximizar a indignação pública, para lançar as bases para uma justificativa inventada para a guerra. Hoje, essa batida só se intensificou na mídia controlada pelo governo russo. Ouvimos algumas dessas alegações infundadas da boca de palestrantes apoiados pela Rússia aqui hoje.

Em segundo lugar, em resposta a essas provocações fabricadas, os mais altos níveis do governo russo podem teatralmente convocar reuniões de emergência para enfrentar a chamada crise. O governo emitirá proclamações declarando que a Rússia precisa dar uma resposta para defender os cidadãos russos ou russos étnicos na Ucrânia.

Em seguida, o ataque está planejado para começar. Mísseis e bombas russos serão lançados sobre a Ucrânia. As comunicações serão bloqueadas. Ataques cibernéticos fecharão as principais instituições ucranianas.

Depois disso, tanques e soldados russos avançarão em alvos-chave que já foram identificados e mapeados em planos detalhados. Acreditamos que essas metas incluem a capital da Rússia – a capital da Ucrânia, Kiev, uma cidade de 2,8 milhões de pessoas.

E os ataques convencionais não são tudo o que a Rússia planeja infligir ao povo da Ucrânia. Temos informações que indicam que a Rússia terá como alvo grupos específicos de ucranianos.

Estamos alertando o governo ucraniano de tudo o que está por vir. E aqui hoje, estamos detalhando tudo, com a esperança de que, compartilhando o que sabemos com o mundo, possamos influenciar a Rússia a abandonar o caminho da guerra e escolher um caminho diferente enquanto ainda há tempo.

Agora, estou ciente de que alguns questionaram nossas informações, lembrando situações anteriores em que as previsões da inteligência acabaram não se confirmando. Mas deixe-me ser claro: estou aqui hoje não para iniciar uma guerra, mas para evitar uma. As informações que apresentei aqui são validadas pelo que vimos se desenrolando diante de nossos olhos por meses. E lembre-se de que, embora a Rússia tenha repetidamente ridicularizado nossos avisos e alarmes como melodrama e bobagem, eles vêm constantemente acumulando mais de 150.000 soldados nas fronteiras da Ucrânia, assim como a capacidade de conduzir um ataque militar maciço.

Não somos apenas nós que vemos isso: aliados e parceiros veem a mesma coisa. E a Rússia não tem apenas ouvido de nós. O coro internacional tem crescido cada vez mais alto.

Se a Rússia não invadir a Ucrânia, ficaremos aliviados que a Rússia mudou de rumo e provou que nossas previsões estavam erradas. Isso seria um resultado muito melhor do que o curso em que estamos atualmente. E aceitaremos com prazer qualquer crítica que alguém nos faça.

Como disse o Presidente Biden, esta seria uma guerra escolhida. E se a Rússia fizer essa escolha, deixamos claro, junto com aliados e parceiros, que nossa resposta será nítida e decisiva. O Presidente Biden reiterou isso com firmeza no início desta semana.

Há outra escolha que a Rússia ainda pode fazer, se houver alguma verdade em sua afirmação de que está comprometida com a diplomacia.

A diplomacia é a única forma responsável de resolver esta crise. Uma parte essencial disso é através da implementação dos Acordos de Minsk, o assunto da nossa sessão de hoje.

Há uma série de compromissos que a Rússia e a Ucrânia assinaram nos Acordos de Minsk com a OSCE e com os parceiros do Formato Normandia envolvidos também.

Se a Rússia estiver preparada para se sentar à mesa de negociações com o governo ucraniano e trabalhar no processo de implementação desses compromissos, nossos amigos na França e na Alemanha estarão prontos para convocar discussões de alto nível no formato Normandia para resolver essas questões. A Ucrânia está pronta para isso. E estamos totalmente prontos para apoiar todas as partes.

O progresso na resolução da crise de Donbass por meio dos Acordos de Minsk pode reforçar as discussões mais amplas sobre questões de segurança que estamos preparados para engajar com a Rússia, em coordenação com nossos aliados e parceiros.

Há mais de três semanas, fornecemos à Rússia um documento que detalhava passos concretos e recíprocos que podemos tomar em curto prazo para abordar nossas respectivas preocupações e promover os interesses de segurança coletiva da Rússia, dos Estados Unidos e de nossos parceiros e aliados europeus. Esta manhã, recebemos uma resposta, que estamos avaliando.

Hoje cedo, enviei uma carta ao ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, propondo que nos reuníssemos na próxima semana na Europa, seguindo nossas conversas nas últimas semanas, para discutir as medidas que podemos tomar para resolver esta crise sem conflito. Também estamos propondo reuniões do Conselho OTAN-Rússia e do Conselho Permanente da OSCE.

Essas reuniões podem abrir caminho para uma cúpula de líderes-chave, no contexto de desescalada, para chegar a um entendimento sobre nossas preocupações de segurança mútua. Como diplomatas líderes de nossas nações, temos a responsabilidade de fazer todos os esforços para que a diplomacia seja bem-sucedida, não deixando pedra sobre pedra diplomática.

Se a Rússia está comprometida com a diplomacia, estamos apresentando todas as oportunidades para que ela demonstre esse compromisso.

Não tenho dúvidas de que a resposta às minhas observações aqui hoje será mais declarações do governo russo sobre os Estados Unidos alimentarem a histeria ou sobre “não ter planos” de invadir a Ucrânia.

Então deixe-me simplificar. O governo russo pode anunciar hoje – sem ressalvas, equívocos ou desvios – que a Rússia não invadirá a Ucrânia. Declare claramente. Declare claramente para o mundo. E então demonstre isso enviando suas tropas, seus tanques, seus aviões de volta para seus quartéis e hangares e enviando seus diplomatas para a mesa de negociações.

Nos próximos dias, o mundo se lembrará desse compromisso – ou da recusa em assumi-lo. Eu passo a palavra.


Veja o conteúdo original: https://www.state.gov/secretary-antony-j-blinken-on-russias-threat-to-peace-and-security-at-the-un-security-council/

Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.

U.S. Department of State

The Lessons of 1989: Freedom and Our Future