Departamento de Estado dos Estados Unidos
Gabinete do Porta-Voz
Briefing Liberado para Divulgação
10 de janeiro de 2022

Por teleconferência

SR PRICE: Bom dia para vocês nos Estados Unidos. Boa tarde para aqueles que estão na Europa. Obrigado por participar desta entrevista coletiva por telefone sobre nossa diplomacia em busca de uma desescalada na relação com a Rússia. Como vocês sabem, esta é uma coletiva de imprensa oficial com a vice-secretária de Estado dos EUA, Wendy R. Sherman, que acabou de concluir esta rodada do Diálogo de Estabilidade Estratégica com sua contraparte russa. Não vamos impor um embargo a esta chamada. Mais uma vez, esta ligação com a Vice-Secretária está liberada para publicação e não tem embargo, e com isso, passo a palavra para a vice-secretária Sherman para um pronunciamento de abertura antes de respondermos às perguntas de vocês.  

VICE-SECRETÁRIA SHERMAN: Muito obrigada, Ned, e obrigada a todos por se juntarem a nós. Falo com você de Genebra, na Suíça.  

Há cerca de meia hora, concluímos a sessão extraordinária do Diálogo de Estabilidade Estratégica bilateral com a delegação russa aqui em Genebra.

Tivemos uma discussão franca e direta ao longo de quase oito horas na missão dos EUA em Genebra.

Esta é a terceira vez que o Diálogo de Estabilidade Estratégica EUA-Rússia é realizado desde que o presidente Biden e o presidente Putin se reuniram em Genebra em junho passado. Os Estados Unidos compareceram à reunião extraordinária de hoje preparados para ouvir as preocupações de segurança da Rússia e compartilhar as nossas. Também trouxemos várias ideias em que nossos dois países poderiam tomar ações recíprocas que seriam de nosso interesse de segurança e melhorariam a estabilidade estratégica. Os Estados Unidos se ofereceram para se reunir em breve novamente para discutir essas questões bilaterais com mais detalhes.

As ideias preliminares que os Estados Unidos levantaram hoje incluem a colocação de mísseis. Também deixamos claro que os Estados Unidos estão abertos a discutir o futuro de certos sistemas de mísseis na Europa – nos moldes do já extinto Tratado INF entre os EUA e a Rússia.

Compartilhamos que também estamos abertos a discutir maneiras de estabelecer limites recíprocos no tamanho e escopo dos exercícios militares e melhorar a transparência sobre esses exercícios, novamente de forma recíproca – e apreciando isso também será um tópico de discussão no Conselho OTAN-Rússia e na reunião da OSCE esta semana.

Os Estados Unidos e a Rússia concordam que uma guerra nuclear nunca poderia ser vencida e nunca deveria ser travada. Discutimos esse princípio compartilhado em reuniões anteriores do SSD, e foi reafirmado na semana passada em uma declaração das nações P5. É por isso que os Estados Unidos há muito se interessam em discutir com a Rússia opções de controle de armas que incluam tanto armas nucleares estratégicas quanto as chamadas não estratégicas. Reiteramos nosso interesse em ter discussões mais profundas sobre esse tema também durante as reuniões de hoje.

Fomos firmes, no entanto, ao rejeitar propostas de segurança que simplesmente não são para os Estados Unidos. Não permitiremos que ninguém feche a política de “Portas Abertas” da OTAN, que sempre foi central para a Aliança da OTAN. Não renunciaremos à cooperação bilateral com Estados soberanos que desejem trabalhar com os Estados Unidos. E não tomaremos decisões sobre a Ucrânia sem a Ucrânia, sobre a Europa sem Europa ou sobre a OTAN sem a OTAN. Como dizemos aos nossos aliados e parceiros, “nada sobre você sem você”.

Os Estados Unidos estão comprometidos com um diálogo recíproco e significativo com a Rússia, assim como estamos comprometidos em consultar e coordenar nossos aliados e parceiros. Estamos prontos para continuar as discussões sobre as questões bilaterais que identificamos hoje assim que possível, e deixamos isso claro. Teremos discussões com nossos aliados e parceiros nos próximos dias e, no final desta semana, informados por essas discussões, os governos dos EUA e da Rússia discutirão o caminho a seguir.

Autoridades russas disseram em público e em particular que querem agir rapidamente, e os Estados Unidos estão prontos para fazê-lo. Ao mesmo tempo, as negociações sobre temas complexos como o controle de armas não podem ser concluídas em questão de dias ou mesmo semanas. Isso é algo que o meu homólogo, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros Ryabkov, compreende muito bem. Devemos dar à diplomacia e ao diálogo o tempo e o espaço necessários para avançar em questões tão complexas.

Chamamos essa sessão extraordinária porque ocorreu sem as reuniões preliminares dos dois grupos de trabalho de especialistas que os dois lados concordaram em criar em nossa última reunião em setembro.

Mas também foi uma sessão extraordinária pelo contexto em que nos encontramos.

Enquanto falamos, a Rússia acumulou mais de 100 mil soldados ao longo das fronteiras da Ucrânia.

Enquanto isso, Moscou afirma que a Ucrânia é quem está buscando conflito e se comportando de forma provocativa, e não a Rússia.

Vale a pena repetir que foi a Rússia que invadiu a Ucrânia em 2014. É a Rússia que continua a alimentar uma guerra no leste da Ucrânia que já custou quase 14 mil vidas ucranianas. E agora são as ações da Rússia que estão causando uma crise renovada não apenas para a Ucrânia, mas para toda a Europa.

Um país não pode mudar as fronteiras de outro pela força, ou ditar os termos da política externa de outro país, ou proibir outro país de escolher suas próprias alianças. Esses são princípios básicos do sistema internacional e são princípios com os quais a Rússia concordou muitas vezes ao longo dos anos.

Fomos claros, e continuamos sendo claros hoje sobre o fato de que os Estados Unidos dariam as boas-vindas ao progresso genuíno por meio da diplomacia. Também reiteramos que acreditamos que o progresso genuíno só pode ocorrer em um clima de desescalada, não de escalada. Se a Rússia permanecer na mesa de reuniões e tomar medidas concretas para diminuir as tensões, acreditamos que podemos conseguir progressos. Mas, se a Rússia se afastar do caminho diplomático, pode ficar bem claro que eles nunca levaram a sério a busca pela diplomacia.

Deixamos claro que, se a Rússia invadir ainda mais a Ucrânia, haverá custos e consequências significativos muito além do que eles enfrentaram em 2014. O presidente Biden disse isso ao presidente Putin em sua recente ligação, e eu disse isso claramente ao vice-chanceler Ryabkov também. A Rússia tem uma escolha difícil a fazer.

Como em todas as coisas, os Estados Unidos continuarão nossa estreita coordenação com nossos aliados e parceiros. Desde o Ano Novo, o presidente Biden tem falado diretamente com o presidente ucraniano Zelenskyy. O secretário Blinken conversou com o ministro das Relações Exteriores ucraniano, Kuleba, e com o alto representante da EU. Borrell, manteve uma ligação com os Nove de Bucareste, recebeu o ministro das Relações Exteriores alemão, Baerbock, em Washington e participou de uma reunião virtual dos ministros das Relações Exteriores da OTAN, apenas para citar algumas das interações.

Da mesma forma, na semana anterior à minha chegada a Genebra, tive telefonemas com os ministros das Relações Exteriores grego e georgiano; com a secretária de Estado da Espanha; com o vice-secretário-geral da OTAN; com o secretário-geral do SEAE, Sannino, e com o secretário-geral da OSCE, Schmid; e também tive uma discussão em grupo com França, Alemanha, Reino Unido e Itália.

Portanto, estamos em contato em todos os níveis com nossos aliados e parceiros, e continuaremos assim nos próximos dias e semanas.

Amanhã de manhã, muito cedo, viajarei a Bruxelas para me encontrar com o secretário-geral da OTAN, Stoltenberg, e informar o Conselho do Atlântico Norte. Também me reunirei novamente com o secretário-geral do SEAE, Sannino, e informarei o Comitê Político e de Segurança da UE. Todas essas reuniões terão lugar perante o Conselho OTAN-Rússia na quarta-feira, onde estarei liderando a delegação dos EUA.

Espero plenamente que no Conselho OTAN-Rússia e na OSCE, nesta semana, a Rússia ouça uma mensagem consistente dos Estados Unidos e dos nossos aliados e parceiros – nomeadamente, que cabe à Rússia diminuir as tensões para que tenhamos uma verdadeira chance de encontrar soluções diplomáticas.

Obrigado novamente por participarem da coletiva conosco. Desculpe se às vezes é difícil entender o que estou falando por trás da máscara. Aguardo suas perguntas. Obrigada.

SR PRICE: Obrigado. Operador, você se importaria de repetir as instruções para fazer uma pergunta?

OPERADORA: Certamente. Senhoras e senhores, se quiserem fazer uma pergunta, por favor, pressionem 1 e depois 0 no teclado do telefone. Você pode retirar sua pergunta a qualquer momento, repetindo o comando de 1 e depois 0.

SR PRICE: Obrigado. Vamos começar com Andrea Mitchell, por favor.

OPERADOR: Obrigado. Um momento.

PERGUNTA: Muito obrigada. Você poderia falar sobre as sanções que mencionou de forma mais ampla? Houve uma explicação muito detalhada de nossos colegas do The New York Times no fim de semana. Estamos falando do sistema SWIFT, estamos falando de controles de exportação-importação em setores-chave? Você poderia ser um pouco mais específico sobre o que a Rússia enfrentaria se não estivesse no caminho diplomático? Muito obrigada.

VICE-SECRETÁRIA SHERMAN: Então, Andrea, o que dissemos é que se a Rússia invadir ainda mais a Ucrânia, haverá custos e consequências significativos muito além do que aconteceu em 2014. Estamos muito prontos e alinhados com nossos parceiros e aliados para impor esses custos severos. Você viu declarações da OTAN, do G7, do Conselho Europeu. Estamos muito bem alinhados. Esses custos incluirão sanções financeiras, e foi relatado que essas sanções incluirão as principais instituições financeiras, controles de exportação que visam indústrias importantes, aprimoramento da postura da força da OTAN em território aliado e aumento da assistência de segurança à Ucrânia.

Não vou entrar em detalhes mais específicos, Andrea, embora eu entenda por que você gostaria de tê-los, porque queremos ter certeza de que eles tenham impacto, eles não podem ser todos antecipados pela Rússia se tivermos que impô-los, e que terão as consequências que sabemos que podem ter.

PERGUNTA: Mas, para ser mais preciso, posso fazer um acompanhamento sobre o que a senhora quer dizer com aumento do apoio à Ucrânia? A senhora quer dizer que a Ucrânia – o governo da Ucrânia e os grupos de milícias da Ucrânia?

VICE-SECRETÁRIA SHERMAN: Estou falando de assistência de segurança para a Ucrânia. Como você sabe, já fornecemos alguma assistência de segurança. Continuamos a fazê-lo, e vamos aumentá-la. E não são apenas os Estados Unidos; há todos os outros governos na Europa que estão prestando assistência de segurança à Ucrânia.

SR PRICE: Vamos para a Jennifer Hansler, por favor. 

PERGUNTA: Muito obrigada pela coletiva. Os russos obviamente estão falando ao mesmo tempo, e eles dizem que informaram aos americanos que não há – não há necessidade de temer uma escalada, que eles não pretendem atacar a Ucrânia. A senhora poderia explicar o que eles disseram e até que ponto vocês acreditam neles?

Então, em termos de discussões, eles – eles levantaram questões que você não estava disposto a discutir hoje? Você acredita que eles negociaram de boa fé?

VICE-SECRETÁRIA SHERMAN: Hoje tivemos uma discussão, um melhor entendimento um do outro e das prioridades e preocupações de cada um. Não foi o que vocês chamariam de uma negociação. Não chegamos a um ponto em que estamos prontos para definir o texto e começar a ir e voltar. Nós, na verdade, não sentamos lá e meio que repassamos o tratado que eles colocaram na mesa palavra por palavra e linha por linha. Então não estamos nesse tipo de cenário. Estamos tentando ter conversas sérias, profissionais, francas, claras e diretas uns com os outros para entender melhor as preocupações e prioridades de cada um.

Com relação aos 100.000 soldados concentrados nas fronteiras, não acho que vocês ficariam surpresos ao ouvir o que a Rússia realmente nos disse, como disseram publicamente, que não pretendem invadir, são apenas manobras e exercícios. Mas eu gostaria de observar que nada disso foi notificado a ninguém, e notificar os exercícios uns dos outros sempre que podemos é típico. E eles podem provar que, de fato, não têm intenção de desescalar e devolver as tropas aos quartéis.

SR PRICE: Vamos passar para Missy Ryan, por favor. 

PERGUNTA: (Inaudível) os oficiais e aos que fizeram briefings nos últimos dias e abordaram, e espero que vocês possam fornecer esclarecimentos adicionais, e isso é sobre se haverá ou não qualquer discussão sobre os níveis de tropas americanas na Europa em qualquer uma das discussões desta semana. Eu sei que nos disseram que não estará na mesa e não estava na mesa nas negociações bilaterais EUA-Rússia hoje. Você pode descartar a discussão de qualquer mudança nos níveis de tropas americanas ou a discussão de um possível formato ou local futuro, alguma coisa do tipo CFE sendo discutida na reunião Rússia-OTAN, na reunião da OSCE também? Apenas esperando esclarecer alguma – evitar alguma confusão sobre isso. Obrigada.

VICE-SECRETÁRIA SHERMAN: Não tivemos discussões sobre os níveis de tropas americanas. Em nossas discussões, não acho que seja isso que está em cima da mesa. Isso não é previsto. Isso não é assunto de conversa. O CFE é um acordo de longa data que é muito importante, nem sempre com a atenção da Rússia, mas os níveis de tropas e os níveis de tropas americanas não estavam na agenda de hoje.

SR PRICE: Vamos passar a palavra para Matt Lee, por favor.  

PERGUNTA: Estou um pouco curioso para saber se houve alguma coisa nas palestras de hoje que lhe dê, tipo, esperança para discussões futuras. Houve algum acordo para continuar as conversas do grupo de trabalho, esse tipo de coisa, ou algum acordo sobre isso?

E, em segundo lugar, tem havido muita conversa sobre desescalada. E de – eu quero saber o que vocês acham que é desescalada. Está removendo todas as tropas ou algumas das tropas da fronteira? Porque estou atento ao contexto de tudo isso – Geórgia e 2014 – mas essas tropas russas estão em território russo. Eles ainda não foram a lugar nenhum. Então, o que isso significaria – isso equivaleria a desescalada para vocês? Obrigado.

VICE-SECRETÁRIA SHERMAN: Vou fazer a última parte primeiro, Matt. É realmente o que eu disse antes: devolva as tropas aos quartéis ou diga-nos quais exercícios estão em andamento e qual é o seu propósito. Isso não está nada claro. Normalmente, não se enviam 100.000 soldados para uma fronteira apenas para fazer exercícios. É bastante extraordinário e está tudo na fronteira da Ucrânia. Então, claramente, foi feito para enviar uma mensagem decisiva. Como disse o general Mingus, que esteve conosco nesta delegação, podemos ver o que eles fazem, assim como eles podem ver o que fazemos. Portanto, não é um mistério que possamos ver suas tropas na fronteira. Eles sabiam que veríamos. Eles sabiam que isso nos deixaria preocupados, e certamente por uma boa razão.

Quanto à esperança para futuras discussões, Matt, é muito difícil para os diplomatas fazer o trabalho que fazemos se você não tiver esperança. Então é claro que eu tenho esperança, mas o que me importa mais são os resultados. Tivemos discussões sérias, como eu disse, diretas, profissionais e francas. Sabe, Matt, porque você acompanha essas coisas há anos, aquele ministro Ryabkov e eu nos conhecemos muito bem. Trabalhamos juntos no acordo de armas químicas da Síria. Trabalhamos juntos no Plano de Ação Abrangente Conjunto. Obviamente, agora trabalhamos no SSD no meu papel de vice-secretária de Estado. Nós nos conhecemos muito, muito bem. Assim, podemos ser muito diretos uns com os outros na medida do possível, sabendo que estamos aqui para nossos interesses nacionais e somos muito leais a esses interesses nacionais.

E acho que o que eu disse antes é o que vai acontecer, ou seja, vamos passar por todas essas discussões esta semana. Vamos refletir sobre todas elas. Espero que incorporando-os, conversando com nossos parceiros e aliados na OTAN, na OSCE, possamos ter mais conversas com o governo russo e decidir sobre o melhor caminho a seguir.

SR PRICE: David Sanger, por favor.

OPERADORA: David, sua linha está aberta. Por favor, siga em frente.

SR PRICE: David, se você está falando, pode estar no mudo. Ok, não estamos ouvindo David. Vamos para a linha de —

PERGUNTA: Acho que está funcionando agora.

SR PRICE: Prossiga.

PERGUNTA: Você pode me ouvir, Ned?

SR PRICE: Sim.

PERGUNTA: Ok. Desculpe por isso. Obrigado, secretária Sherman por fazer isso.

Eu queria voltar à sua anotação de que você estava disposto a discutir um restabelecimento do INF. Claro, no – durante o governo Obama e depois no governo Trump, havia preocupações de que a Rússia estivesse violando isso. Você tem – você pode nos dar um pouco mais de noção de qual é o seu conceito de como você poderia colocar isso de volta sem ter que passar pelo tipo de violação que você tinha em mente? E os russos responderam de alguma forma à sua oferta lá?

VICE-SECRETÁRIA SHERMAN: Bem, deixe-me colocar desta forma, David. Os russos abordaram as preocupações que tínhamos e que levaram ao fim do tratado INF. Isso não era uma negociação, então estávamos colocando ideias na mesa hoje. E temos um longo caminho a percorrer, mas é claro que há preocupações contínuas sobre mísseis de alcance intermediário. Essa é a razão pela qual houve um tratado INF em primeiro lugar. Essa preocupação permanece e, se houver uma maneira de abordá-la daqui para frente, incluindo nossas preocupações que levaram à extinção do tratado, é algo que vale a pena considerar e ver se, de fato, ações recíprocas podem ser tomadas para aumentar nossa segurança.

SR PRICE: Vamos falar com Laura Kelly.

PERGUNTA: (Inaudível) dá alguma indicação durante suas reuniões de que Moscou está preparada para diminuir a situação, uma vez que seu agrupamento de tropas resultou no agendamento dessas sessões extraordinárias de reuniões?

VICE-SECRETÁRIA SHERMAN: Acho que não sabemos a resposta para isso. Deixamos bem claro que é muito difícil ter uma diplomacia construtiva, produtiva e bem-sucedida sem desescalada, porque a escalada obviamente aumenta as tensões e não cria o melhor ambiente para negociações reais, o que não alcançamos hoje, mas é o que se teria que conseguir em última análise aqui. Portanto, veremos se, de fato, a Rússia entende que a melhor maneira de buscar a diplomacia é reduzir essas tensões e diminuir a escalada. Vamos ver o quão sério eles são.

SR PRICE: Vamos para Elmar Thevessen, da ZDF German Television.

PERGUNTA: (Inaudível) projetos de tratados, Secretária Sherman. Ryabkov realmente colocou aqueles projetos de tratados que a Rússia lançou há algumas semanas na mesa como base para tudo? Essa é a primeira pergunta.

E a segunda: a senhora mencionou também os controles de exportação que podem estar ou estão na lista de possíveis sanções. A senhora espera que os países europeus participem desses controles de exportação, incluindo, por exemplo, tecnologia e produtos técnicos sendo exportados para a Rússia?

VICE-SECRETÁRIA SHERMAN: Portanto, não há dúvida de que os projetos de tratados que a Rússia tornou públicos foram a base do ponto de vista russo para as conversas de hoje. Seja como for, também colocamos nossas preocupações na mesa. Nós não sentamos lá e analisamos um projeto de tratado, mas certamente havia referência a ele e a artigos dele. Então, sim, estava muito presente na sala, mesmo que não fosse o pedaço de papel com o qual estávamos trabalhando.

Em segundo lugar, sobre controles de exportação, estamos em intensa discussão com parceiros e aliados sobre controles de exportação e trabalhando na melhor maneira de avançar, e estamos encontrando muita compreensão, acordo e interesse em persegui-los.

SR PRICE: Vamos para Nike Ching.

PERGUNTA: Como a senhora descreveria o nível de confiança entre seus dois países? E separadamente, se posso perguntar, na semana passada o presidente chinês Xi Jinping conversou com o presidente da Ucrânia, Zelenskyy, por telefone para comemorar o 30º aniversário dos laços diplomáticos bilaterais. Ambos concordaram em impulsionar a parceria estratégica entre  China e Ucrânia. Pergunta: Como os EUA avaliam a influência chinesa sobre a Ucrânia?; os EUA esperam que a China desempenhe algum papel para dissuadir a Rússia de mais agressão militar contra a Ucrânia em um momento em que Rússia e China estão aprofundando sua cooperação militar? Muito obrigada.

VICE-SECRETÁRIA SHERMAN: Obrigada por suas perguntas. Em primeiro lugar, como diplomata e negociador, geralmente não abordo esse tipo de situação com base na confiança. Eu tento respeitar que outros países têm seus próprios interesses e esses interesses podem ser diferentes dos nossos, e tento entendê-los. Acho que o que importa é: Quais são os resultados? Eles são recíprocos? Aumenta a segurança para os Estados Unidos da América? Essa é a responsabilidade que o Secretário de Estado e o presidente me pediram para levar adiante como líder da delegação dos EUA.

Então, para mim, trata-se de fazer o trabalho, ver se os resultados – se um pode entender os interesses do outro, mesmo que não possam ser atendidos, porque não atendem aos nossos interesses de segurança, para ver se de fato você pode alcançar algo isso é recíproco, pois garante a nossa segurança.

E em termos de sua segunda pergunta, realmente não foi o assunto de nenhuma de nossas discussões ou considerações naquele momento, então não tenho certeza se tenho uma resposta muito útil para você.

SR PRICE: Vamos falar com Mike Eckel, da Radio Free Europe.

OPERADOR: Mike, sua linha está aberta. Por favor continue com a sua questão.

PERGUNTA: Muito obrigado. Minha pergunta diz respeito especificamente à OTAN – estou alternando entre este briefing em particular e o briefing que está sendo feito pelo vice-ministro das Relações Exteriores Ryabkov, e ele deixa claro que a OTAN era ou a expansão da OTAN foi discutida de alguma forma hoje, e que, de acordo com Ryabkov, a posição expressa pelos americanos foi apenas uma recusa total sobre a questão de uma maior expansão da OTAN. Então eu estou querendo saber se você pode caracterizar a natureza da questão da OTAN e como ela foi discutida com o Sr. Ryabkov hoje.

VICE-SECRETÁRIA SHERMAN: Bem, certamente, se você tem ouvido o Sr. Ryabkov, sabe mais do que eu, porque tenho escutado a mim mesmo e a todos vocês. Mas tenho certeza de que ele está dizendo que a Rússia acredita que não deve haver mais expansão da OTAN. Isso ficou muito claro no projeto de tratado que ele – eles apresentaram dois projetos de tratados; um com os Estados Unidos, o outro com a OTAN. E fomos inequívocos: não tomamos decisões por outros países. Não concordaremos que qualquer país deva ter poder de veto sobre qualquer outro país quando se trata de fazer parte da Aliança da OTAN. A OTAN tem seus próprios processos para isso, e nós apoiamos esses processos, e sentimos muito fortemente que os países podem decidir sua própria orientação de política externa e como desejam proceder em termos de sua própria soberania e sua própria integridade territorial. E isso não deve ser decidido por outros e certamente não deve ser decidido pela força.

SR PRICE: Tempo para algumas perguntas finais. Vamos para Vivian Salama, por favor.  

PERGUNTA: (Inaudível) voltando ao que Matt Lee havia perguntado, apenas em termos de se a senhora pudesse realmente, claramente nos dizer como está a situação. Os russos precisam fazer alguma ação específica, como redução de tropas ou qualquer outra coisa, para garantir que os EUA e seus aliados não façam o que ameaçaram fazer, sejam sanções ou qualquer outra coisa? E existe um prazo para que tal ação evite basicamente que o status quo resulte em inação por parte dos EUA e seus aliados? Obrigada.  

VICE-SECRETÁRIA SHERMAN: Acho que você provavelmente já ouviu o Secretário de Estado Blinken falar sobre a Rússia ter dois caminhos entre os quais pode escolher. Um é o caminho da diplomacia, que esperamos garantir não apenas a segurança da Rússia, mas a nossa, dos nossos aliados e parceiros. O outro é dissuasão e custo. E faremos o que for necessário para impedir a Rússia de fazer qualquer coisa que seja prejudicial para a Ucrânia, e se o fizer, haverá custos enormes – custos substanciais, significativos e realmente convincentes. E é mesmo uma escolha muito difícil, e suspeito que apenas o Sr. Putin, o presidente Putin, pode decidir. Certamente incentivamos a Rússia a diminuir a escalada, a criar um ambiente propício à via diplomática. Mas veremos.  

SR PRICE: Vamos para Anton LaGuardia, do The Economist.  

PERGUNTA: Oi, você pode me ouvir?  

SR PRICE: Por favor, prossiga.  

PERGUNTA: Olá?  

VICE-SECRETÁRIA SHERMAN: Sim. 

PERGUNTA: Pode me ouvir?  

SR PRICE: Sim, por favor, prossiga.  

PERGUNTA: Ah – obrigado. Eu queria perguntar sobre o ponto de reciprocidade que a senhora mencionou várias vezes. A senhora pode expandir o que quer dizer com isso em termos de exercícios e mísseis? E teve a sensação de que os russos estavam dispostos a aceitar esse ponto? De fato, eles estavam dispostos a seguir o cronograma bastante estendido para negociações formais que você estabeleceu? Obrigado.  

VICE-SECRETÁRIA SHERMAN: Bem, em seu último ponto, não estabelecemos um cronograma específico para nada. Meu – certamente, os russos disseram que gostariam de agir rapidamente. Dissemos que, na medida em que há ações que podemos tomar, há trabalho que pode ser feito, estamos felizes em agir o mais rápido possível. O único ponto que fiz em meus comentários de abertura é que esse tipo de negociação de controle de armas – como o próprio Sr. Putin disse, o próprio presidente Putin disse – não acontecem em apenas um dia ou mesmo uma semana. Eles geralmente são bastante complexos, muito técnicos e levam algum tempo. Mas certamente estamos prontos para agir o mais rapidamente possível nessas circunstâncias.  

Nesse ponto de reciprocidade, os acordos de controle de armas só funcionam e são duradouros quando são recíprocos, quando ambas as partes estão tomando medidas que garantam a segurança mútua. E, então, seja o que for que possamos fazer aqui – e ainda não está claro porque estamos apenas no começo e ainda não sabemos para onde tudo isso está indo – qualquer coisa que façamos que possamos levar à mesa como uma ideia, esperaríamos uma ação recíproca da Rússia. Pode não ser exatamente a mesma ação. Pode ser outra ação que cria mutualidade e reciprocidade, e isso é muito crítico em nosso controle de todas as armas.

SR PRICE: Michele Kelemen. 

PERGUNTA: (Inaudível) o Cazaquistão não surgiu nesta discussão hoje. E, mais amplamente, Anatol Lieven descartou essa ideia de que os EUA e a Rússia deveriam considerar a neutralidade para a Ucrânia como a Áustria durante a Guerra Fria. E eu me pergunto se você acha que talvez seja hora de considerar mais ideias fora da caixa como essa. Obrigada.  

VICE-SECRETÁRIA SHERMAN: O Cazaquistão não apareceu hoje para responder a essa pergunta rapidamente. Sobre a ideia de neutralidade, temos um princípio realmente crítico: não há decisões sobre a Ucrânia sem a Ucrânia. A Ucrânia decide sua orientação de política externa. Ela decide o seu futuro. A OTAN decide o processo de adesão à OTAN e como se passa por esse processo. Nenhum país deve ter poder de veto ou tomar decisões por outros sobre seu futuro.  

SR PRICE: E vamos responder a uma pergunta final de Nick Schifrin, por favor. 

PERGUNTA: Wendy, muito obrigado, se você puder me ouvir. David perguntou especificamente sobre o INF. Eu gostaria de saber se a senhora poderia falar sobre o quão específica a senhora foi em implantações e exercícios de mísseis e se Ryabkov estava realmente disposto a se envolver com as prioridades dos EUA. E, no fim das contas, você tem uma noção melhor hoje se as propostas russas do mês passado foram projetadas para serem rejeitadas e depois usadas como pretexto para a guerra, ou na verdade eram uma oferta de abertura para uma negociação séria?  

VICE-SECRETÁRIA SHERMAN: Os russos diriam que eles eram uma oferta aberta para uma negociação séria, e veremos se esse é realmente o caso. Nos exercícios de implantação de mísseis, colocamos algumas ideias na mesa. Não vou entrar em detalhes sobre essas ideias. É claro que nos próximos dias consultaremos nossos parceiros e aliados sobre algumas dessas ideias. E eu diria que, mesmo em coisas que não são prioridades russas, talvez não sejam sua primeira ou segunda prioridade, tivemos discussões e trocas úteis hoje que ajudarão a informar nosso caminho a seguir.  

SR PRICE: Muito obrigado, vice-secretária Sherman. Muito obrigado a todos por conectarem conosco. Apenas um lembrete, esta coletiva com a vice-secretária de Estado, Wendy R. Sherman, está liberada para divulgação e não foi embargada. Espero que todos tenham um bom dia.  


Veja o conteúdo original: https://www.state.gov/briefing-with-deputy-secretary-wendy-r-sherman-on-the-u-s-russia-strategic-stability-dialogue/

Esta tradução é fornecida como cortesia e apenas o texto original em inglês deve ser considerado oficial.

U.S. Department of State

The Lessons of 1989: Freedom and Our Future